MARTHA SANTHUZA/MEIONORTE.COM
MARTHA SANTHUZA/MEIONORTE.COM

Mãe de menino morto no Alemão diz ter sido ameaçada de morte

Terezinha de Jesus Ferreira disse que não se calará e estimulou mães a denunciar os casos; criança foi sepultada no interior do Piauí

Luciano Coelho, Especial para O Estado

06 de abril de 2015 | 16h56

Atualizada às 18h36

TERESINA - O corpo de Eduardo de Jesus Ferreira, 10 anos, morto no Complexo do Alemão, na zona norte do Rio, foi velado na casa de sua tia Maria de Lourdes Lopes, de 48 anos, em Corrente (872 km de Teresina), no Piauí. O sepultamento ocorreu por volta das 17 horas no cemitério local. A mãe do menino, Terezinha de Jesus Ferreira, denunciou que está recebendo ameaças de morte, mas disse que não se calará sobre a morte do filho.

Terezinha não especificou de quem partiram as ameaças e estimulou as mães que perderam os filhos da mesma forma a denunciar os casos. Ela voltou a afirmar que o filho não foi morto por uma bala perdida e disse que a foto que circula nas redes sociais, de um garoto segurando um fuzil, não é de Eduardo. 


A coordenação das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) afirmou no domingo que Eduardo foi baleado durante confronto entre policiais e traficantes do Alemão. Terezinha contradiz a versão e afirma que o filho foi morto por um policial quando brincava na porta de casa, na localidade de Areal. 

Houve uma grande comoção no velório. A tia da criança passou mal, desmaiou e teve de ser atendida no hospital. Terezinha disse que volta ao Rio para acompanhar o desenrolar das investigações sobre a morte do seu filho e depois pretende voltar a morar no Piauí. "Vou lutar até o fim para ver esse policial atrás das grades", finalizou.

Rio. Oito policiais do Batalhão de Choque que realizavam patrulhamento no Complexo do Alemão, na zona norte do Rio, compareceram na tarde desta segunda-feira, 6, à Divisão de Homicídios (DH) da capital fluminense, na Barra da Tijuca, para prestar depoimento sobre a morte do menino Eduardo de Jesus Ferreira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.