Mãe diz que acusado da morte de Schincariol é inocente

A dona de casa Lourdes Marques da Silva, de 56 anos, mãe do garçom Valdinei Sabino da Silva, de 25, acusado de participação na morte do empresário José Nelson Schincariol, insistiu na versão de que seu filho estava em casa na hora do crime. Segundo ela, na noite do assassinato, ocorrido por volta de 22h30 de segunda-feira, Valdinei estava em sua companhia, na casa da família, no Bairro São Judas Tadeu, em Itu. "Ele não tem nada com isso e está sendo acusado injustamente", disse. Silva foi preso na noite de terça-feira, depois de ter sido reconhecido por uma testemunha como um dos dois homens que se afastavam correndo do local do crime. O juiz corregedor de Itu, José Fernando Azevedo Minhoto, decretou sua prisão temporária pelo prazo de 30 dias. O empresário foi baleado com três tiros na noite de segunda-feira na garagem de sua casa, no centro da cidade, e morreu quatro horas depois no Hospital Albert Einstein, em São Paulo.Já na noite de terça-feira, minutos depois da prisão, Lourdes foi à Delegacia protestar. Segundo ela, mais de 20 policiais, sem exibir mandado de busca ou prisão, invadiram sua casa e quebraram móveis à procura de uma arma. O filho, que estava no quarto, foi preso sem opor resistência. Os policiais chegaram a Silva depois que integrantes da Guarda Municipal de Itu localizaram uma terceira testemunha do caso. As outras duas, um estudante e um vigia noturno, não tinham reconhecido os suspeitos pelas fotos. A terceira testemunha fez o reconhecimento fotográfico e pessoal do acusado. A arma do crime não foi encontrada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.