Mãe do cantor Roberto Carlos é sepultada no Rio

Eramos Carlos e Wanderléa estão entre os que foram prestar a última homenagem a Lady Laura

Roberta Pennafort, da sucursal do Rio

19 de abril de 2010 | 09h34

 

 

RIO - Cerca de 350 pessoas, entre fãs, amigos e parentes do cantor Roberto Carlos, estão no cemitério Jardim da Saudade em Sulacap, para acompanhar o sepultamento de sua mãe, Laura Braga, conhecida como Lady Laura.

 

Chorando muito, Roberto Carlos cantou Lady Laura, a música que compôs em sua homengem, diante do caixão - bem baixinho, como se fosse para só ela ouvir. Laura Moreira Braga morreu no sábado, aos 96 anos. O sepultamento ocorreu no cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap,  pouco depois das 10 horas desta segunda, 19, data do aniversário do cantor. O padre Antônio Maria, seu amigo, fez as orações.

 

O cantor preferiu não olhar quando o caixão baixou à sepultura, e virou o rosto para o lado. Antes de sua chegada, os fãs, em parte incitados por cinegrafistas de emissoras de TV, cantaram sucessos como Jesus Cristo, Nossa Senhora, Como É Grande o Meu Amor por Você e a própria Lady Laura, canção em que fala do conforto que encontrava, já adulto, no abraço da mãe. No momento final, no entanto, silenciaram. As pessoas chegaram cedo e não se deixaram abater pelo sol forte. "Vim em homenagem ao Roberto, quero compartilhar da sua dor", contou Odinete Moreira, de 76 anos.

 

O corpo ficou em uma capela no cemitério fechada só para parentes e amigos mais íntimos e diante do local do enterro, uma grande quantidade de fãs se aglomera para ver Roberto e prestar solidariedade. Muitas senhoras saíram de casa cedo e aguardavam em pé, no sol, por sua chegada.

 

Entre os amigos, vieram Erasmo Carlos, Wanderléa, Rosemary e Jerry Adriani. Lady Laura morreu no sábado. Roberto estava em Nova York, fazendo um show, e voltou quando foi informado da notícia.

 

Roberto Carlos chega ao hospital onde a mãe estava internada, em Copacabana

 

Nos últimos dois dias, Roberto não descansou: soube da morte da mãe no sábado à noite, quando se preparava para o bis no show do Radio City Music Hall, em Nova York (a cidade abriu a turnê internacional comemorativa dos 50 anos de carreira, que termina na Colômbia, em junho). Tentou voltar imediatamente para o Rio, mas não conseguiu.

 

No domingo de manhã, embarcou e, ao chegar ao Rio, foi direto para o hospital Copa D’Or, onde ela estava internada. Hoje, sem condições de falar sobre a perda, ele só acenou para os fãs. Na saída da capela, Roberto carregou o caixão junto com parentes. Curiosamente, o túmulo de Lady Laura é quase ao lado de onde fica o da cantora Cássia Eller, que morreu em 2001.

 

Os amigos lembraram a personalidade afetuosa da "rainha mãe". "Para mim, era o gênio do Roberto", disse Rosemary. "Lembro de a gente varar a madrugada gravando e ela aparecendo no estúdio, às 2 da manhã, com balinhas pra todos", contou o produtor Guto Graça Mello. O cronograma da turnê não será alterado, afirmou o empresário de Roberto, Dody Sirena. "O sucesso dele era o maior orgulho da Lalá." O próximo show é dia 4 de maio, em Lima, no Peru.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.