Mãe e filha libertadas após 20 dias de seqüestro

Durante a noite de ontem foram encontradas por policiais rodoviários no km 74 da Rodovia Raposo Tavares, na região de Itu, Liliane Rossi Thomaz Jamul, de 38 anos, e sua filha Laila Jamul, de 12. Elas haviam sido seqüestradas na cidade de Tatuí, no interior paulista, no dia 14 de novembro e foram libertadas ontem, após pagamento de resgate. A polícia se manteve afastada durante as negociações e afirma desconhecer o valor pago aos seqüestradores.Liliane é esposa do comerciante Monir Mohamed Jamul, proprietário de uma loja de carros e de um posto de combustíveis em Tatuí. Por volta das 14 horas do dia 14 do mês passado, um grupo armado abordou Liliane e Laila e colocaram as duas no porta-malas de um carro. Elas foram levadas para um cativeiro, que segundo a polícia fica em outra cidade.Os policiais rodoviários que as encontram na rodovia, levaram-nas primeiro a Itu, de onde foram encaminhadas à Delegacia Seccional de Itapetininga. De lá, elas foram encaminhadas à delegacia de Tatuí, pois o seqüestro aconteceu na cidade daquele município.Em seu depoimento ao delegado Acácio Aparecido Leite, da delegacia de Tatuí, elas disseram que durante esses dias foram relativamente bem tratadas e alimentadas pelos seqüestradores. Além da tensão, nada mais sofreram. Não foram ameaçadas de morte, nem molestadas de nenhuma maneira.Ainda não foi esclarecido o número de participantes do bando e o valor pago pelo resgate está sendo mantido em sigilo. Mãe e filha foram ouvidas rapidamente e liberadas para descansar. Um depoimento mais completo deverá ser tomado nos próximos dias, provavelmente pelo delegado titular Marcelo Murati.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.