Mãe e filha são libertadas após seis anos de cativeiro

Uma menina de 9 anos e sua mãe foram libertadas nesta terça-feira, 5, após seis anos de cativeiro em Itapetinga, cidade a 562 quilômetros de Salvador. O seqüestrador teria sido o próprio pai, o pedreiro Fernando Brito, que está preso. "Fiz isso pra deixá-las longe de problemas", diz Brito. A prisão ocorreu após denúncias de populares. Cansados de ver Fernando Brito sair para trabalhar e deixar a menina e a mãe presas em um casebre de madeira, os vizinhos chamaram o conselho tutelar. A conselheira Cristiane Oliveira então encaminhou as duas para uma instituição.Descontente, Brito chegou a ir até o local e retirar a menina, levando-a de volta ao cativeiro. "Este foi o motivo da prisão", explica o coordenador da Polícia Civil na região, Suzano Filho. De acordo com Suzano, o pedreiro foi autuado em flagrante e será indiciado por abandono material e intelectual, cárcere privado, maus tratos. A pena pode chegar a três anos de prisão. A garota tem problemas de coordenação motora e mal sabe se expressar. "Ela não sabe usar sequer uma torneira, vai precisar de ajuda profissional, e pode ficar internada em uma instituição psiquiátrica", avalia a conselheira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.