Arquivo pessoal
Arquivo pessoal

Mãe é impedida de ver filha em UTI de hospital em Porto Alegre

Desentendimentos entre a mulher e a instituição culminaram em uma decisão judicial; menina de 2 anos tem pneumopatia fibrosante

Chico Guevara , Especial para O Estado

25 de junho de 2015 | 18h56

PORTO ALEGRE - Uma decisão judicial impede que uma menina de 2 anos e 2 meses seja acompanhada pela mãe na UTI pediátrica de um hospital em Porto Alegre. Neusa Padilha não pode ver a filha Valentina Morretti no hospital particular Moinhos de Vento, depois de desentendimentos que culminaram na decisão judicial. Apenas o pai, Edson Morreti, é autorizado a visitá-la.

Conforme o hospital, atitudes inadequadas da mãe fizeram com que ela passasse a ser barrada na entrada e impedida de visitar a filha. Segundo Neusa, a limpeza de um aparelho de ar condicionado acirrou ainda mais os ânimos, já exaltados. A demora da instituição em limpar o equipamento instalado na UTI fez com que a própria mãe fizesse o serviço. 

O hospital garante que o aparelho foi danificado. "O Hospital Moinhos de Vento restringiu o direito de visita da Sra. Neusa Padilha, com respaldo de decisão judicial. Tal restrição tem embasamento legal e objetiva a segurança de todos os pacientes da UTI Pediátrica, inclusive da menor em questão. O pai da menor permanece liberado para visitar e estar com a paciente. O processo judicial mencionado tramita em segredo de justiça", explica a instituição por nota. 

Por outro lado, segundo a advogada da família, Gisele Dias, uma dívida que já chega a R$ 397 mil reais faz com que a instituição não aceite mais a menina. "O hospital está irredutível. E a família não consegue transferência." Conforme a advogada, os ânimos se acirraram quando os pais de Valentina recusaram uma transferência para um hospital em São Paulo, por não terem dinheiro para arcar com transporte e acomodação. "Eles tentaram um hospital em Fortaleza, onde têm parentes, mas não conseguiram vaga para a menina." 

Agora, o caso está na Justiça, que, em um primeiro momento, se posicionou a favor do hospital. "Essa criança não tem data para alta. E se ela ficar mais dois anos internada, vai permanecer todo esse tempo sem ver a mãe? A menina vai perder a referência de mãe", lamenta a advogada. 

Valentina sofre de uma doença pulmonar chamada pneumopatia fibrosante crônica. Ela precisa de auxílio para respirar e não tem data para receber alta, já que uma das poucas alternativas é um transplante de pulmão.  

A família tenta nas redes sociais angariar fundos para a instalação, em casa, de toda a aparelhagem a que Valentina precisa ficar conectada em um leito de UTI.  

Tudo o que sabemos sobre:
Porto AlegreRio Grande do Sul

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.