Mãe é indiciada por negligência em Curitiba

A negligência da artesã Monique Scholz, de 18 anos, quase a fez perder o filho E.A.S., de um mês de vida. Na quarta-feira, ela entregou a criança para uma desconhecida tomar conta, enquanto ela trabalhava na Praça Santos Andrade, em Curitiba. A adolescente B.J.S., de 14 anos, desapareceu com a criança. À noite, o bebê foi abandonado em uma casa na Vila Parolin e recolhido pela dona de casa Dinair Mendes de Oliveira, de 24 anos. No dia seguinte, ela acionou a polícia e as assistentes sociais da prefeitura, que resgataram a criança.Ontem à noite as assistentes também encontraram B.J.S., que foi ouvida ontem por uma psicóloga do Serviço de Investigações de Crianças Desaparecidas (Sicride). "A princípio ela não teve maldade, foi apenas uma criancice", disse o delegado Harry Herbert, descartando possibilidade de seqüestro. Ele encaminhou a adolescente para a Delegacia do Adolescente, onde ficará à disposição do Juizado da Infância e Adolescência. Segundo Herbert, a menina apresenta um anacronismo entre a idade biológica e a idade mental.Por apanhar do padrasto, B.J.S. vive na rua. Na quarta-feira, ela se aproximou de Monique e pediu para cuidar da criança. A mãe entregou-a e ainda pediu que fosse a uma farmácia comprar remédio. A adolescente desapareceu. "Ela parecia pacífica, apenas estava suja e mal-vestida, eu sempre a via lá", justificou a mãe. O delegado do Sicride indiciou-a por "abandono de incapaz", crime previsto no Código Penal. "Ela teve sorte, mas a criança poderia ter sumido e, nessa idade, é quase impossível encontrar", afirmou. Mesmo indiciada, a mãe continua com a guarda da criança.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.