Mãe e padrasto matam criança e acabam presos

A Polícia Militar encontrou, na noite desta quinta-feira, a ossada de uma criança enterrada em Francisco Morato, na Grande São Paulo, e deteve os autores do crime: mãe e padrasto. Janaína Nantes, de 4 anos, foi morta no primeirosemestre de 2002, em uma residência do Brás, na zona Leste de São Paulo. Mas a ossada só foi encontrada pela Polícia na noite desta quinta, em local indicado por Jeucione Boaventura Silva,de 30 anos. Jeucione, que na ocasião vivia com Vera Lúcia Nantes Lopes, de 28 anos, mãe da criança, já estava preso pelo crime, mas negava a autoria. Ele está na carceragem do 77º Distrito Policial, em Santa Cecília, há dois meses, após ser denunciado por Vera, de quem se separou.Nesta quinta, ele decidiu assumir a participação na morte de Janaína, mas envolveu também a mãe e seu primo, Ezequias Cardoso Boaventura, de 19 anos. Os primos indicaram à Polícia o localonde o corpo da criança foi jogado, um barranco na Estrada do Magi, no Jardim Alegreia, em Francisco Morato. A Polícia levou os dois até o local, onde, após buscas, encontraram o sacoplástico com a ossada da menina.Jeucione disse à Polícia que a morte de Janaína havia sido um acidente, ocorrido durante umabriga entre ele e seu primo, por causa de Vera Lúcia. Ele disse que, quando se agrediam, no andar superior do sobrado, acabaram esbarrando na criança, que caiu no andar debaixo e morreu pouco depois. De comum acordo, os três decidiram não socorrer a menina e não levá-la para o hospital,pois ela já havia apanhado deles em ocasiões anteriores e tinha marcas pelo corpo. Então resolveram deixar a Janaína morrer e selivraram do corpo, escolhendo Francisco Morato porque Jeucione já havia morado lá.Imediatamente após o crime, o casal se mudou para o município de Tupã, interior do Estado, mas logo se separou e a mãe da menina procurou a Polícia e o acusou. O delegado Cristian Róbson Teixeira, do 1º Distrito Policial de Francisco Morato, indiciou os três por ocultação de cadáver. Mas o delgado não descartou a possibilidade de todos serem autuados pelo homicídio, uma vez que se omitiram em socorrer a criança.

Agencia Estado,

30 de janeiro de 2004 | 05h39

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.