Mãe é presa sob acusação de tentar vender filho

A cabeleireira Dalva Aparecida Carvalho, de 28 anos, foi presa na tarde desta quinta-feira em flagrante pelo delegado do 1º Distrito Policial de Jundiaí, Fernando Manoel Bardi. Ela é acusada de tentar vender o próprio filho, o recém-nascido Gustavo, de um dia, por R$ 5 mil. Para poder registrar o filho com outro nome, Dalva deu entrada na Maternidade do Hospital São Vicente de Paulo com o nome de Aparecida Ferreira da Luz, que está foragida, segundo a polícia. Aparecida é que assumiria a criança como sendo dela. A assessoria de imprensa do hospital informou que uma enfermeira já havia suspeitado de algo estranho com a paciente, uma vez que os dados do exame pré-natal de Dalva não batiam. Uma companheira de quarto de Dalva disse que a cabeleireira ia dar o filho para Aparecida, para que esta o vendesse. Para a polícia, Dalva disse que ia dar o filho para Aparecida por gratidão pelo fato de esta tê-la tirado da prostituição. Antes deste episódio, a cabeleireira já teria entregue para a Vara da Infância de Jundiaí outras duas crianças. Dalva também disse à polícia que havia um casal na maternidade do hospital que perguntou a várias mulheres grávidas se estariam interessadas em vender o filho e ofereceu por R$ 2 mil por seu filho e ela não aceitou.

Agencia Estado,

12 Junho 2003 | 19h21

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.