Mãe que atirou a filha na lagoa da Pampulha vai a julgamento

A ex-promotora de vendas, Simone Cassiano da Silva, de 30 anos, acusada de jogar a própria filha recém-nascida na Lagoa da Pampulha, em Belo Horizonte, há quase um ano, irá a júri popular na sexta-feira, 19. Ela será julgada por tentativa de homicídio por motivo torpe e com uso de meio cruel. O julgamento será no 1º Tribunal do Júri, no Fórum Lafayette, na capital mineira.A menina, que na época tinha dois meses, só sobreviveu porque foi encontrada por um casal que caminhava na orla da lagoa. Ela boiava enrolada dentro de um saco de lixo. A criança ganhou o nome de Letícia Maria e foi entregue para adoção a um casal cadastrado no Juizado da Infância e Juventude. A identidade do casal é mantida em sigilo.De acordo com a defesa de Simone, que está presa em Belo Horizonte, a ex-promotora de vendas ainda sustenta que entregou a menina a moradores de rua, por considerar que não tinha condições de criar a filha. Letícia nasceu prematura e precisava, na época, de cuidados especiais. O inquérito policial descartou a versão da mãe. A criança ficou na maternidade por dois meses, até o dia em que foi jogada na lagoa. O crime ocorreu em 28 de janeiro do ano passado. Simone pode pegar de 12 a 30 anos de prisão em regime fechado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.