Mãe que vingou filho violentado é absolvida em São Carlos

Após cerca de nove horas de julgamento, a dona de casa Maria do Carmo Ghislotti, de 31 anos, acusada de matar um adolescente de 15 anos que teria violentado sexualmente seu filho de 3 anos, em fevereiro deste ano, foi absolvida nesta terça-feira, 14, em São Carlos, na região de Ribeirão Preto. Os jurados entenderam que ela agiu em legítima defesa da honra do filho. O promotor Marcelo Mizuno pode recorrer da sentença ao Tribunal de Justiça de São Paulo.O advogado de defesa, Helder Clay Biz, disse que sua atuação usou como tese o artigo 25 do Código Penal, ou seja, a legítima defesa da honra de terceiro. Sete jurados analisaram os vários quesitos e a absolvição ocorreu pela maioria. Maria do Carmo já estava em liberdade provisória, desde 17 de fevereiro, concedida pela Justiça. Agora ela retorna à sua rotina normal, sem problemas com a Justiça.Em 7 de fevereiro, Maria do Carmo usou uma faca, que teria encontrado na própria Delegacia da Defesa da Mulher (DDM), segundo a sua versão, para matar o vizinho adolescente Robson Xavier Francelino de Andrade, de 15 anos. Andrade foi flagrado pelo pai do menino, violentando-o sexualmente, num bambuzal, perto de casa, no distrito de Santa Eudóxia (zona rural). A polícia foi acionada e enquanto a criança era levada para fazer o exame de corpo de delito no Pronto-Socorro, Maria do Carmo cometeu o crime, desferindo um golpe de faca no pescoço de Andrade, que morreu no local. A mulher foi presa em flagrante e o promotor a denunciou por homicídio qualificado. A acusação defendia a tese de que Maria do Carmo dificultou a defesa da vítima.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.