Maia crítica campanha de Alckmin no horário eleitoral

O prefeito do Rio de Janeiro, Cesar Maia (PFL), que suspendeu o blog que tinha e passou a enviar mensagens aos leitores por e-mail, criticou duramente a campanha do ex-governador Geraldo Alckmin e candidato da coligação PFL/PSDB à presidência da República.Maia afirma que o candidato "comete erro" maior, pois "fixa-se em fazer afirmações mais ou menos genéricas, do que fará e se esquece de dizer ao eleitor porque não deve votar em Lula". Por outro lado, Maia elogia o candidato ao governo estadual, José Serra, dizendo que ele "está na linha certa, empurrando seus adversários para a crítica ao governo do PSDB, cuja identificação com Serra - este sim por seu currículo - é apenas parcial e remota" .Cesar Maia, reconhecido pela sua capacidade de interpretar pesquisas, diz ainda que "uma campanha com candidato à reeleição tem suas características básicas que se repetem no mundo todo. A tendência do eleitor é ficar com quem conhece, a menos que a percepção do governo deste seja um desastre".Por isso, o prefeito considera que "a chave da vitória da oposição é exaltar os erros e desvios do governo e projetar um governo ainda pior para o período seguinte, afetando a percepção". Maia considera ainda que a campanha do tucano deveria dar mais ênfase à corrupção do governo petista já que o assunto "tem sido tema crescente na agenda das campanha eleitorais pelo mundo afora, respondendo a reação da opinião pública a casos de corrupção".Segundo ele, "Alckmin comete erro maior, pois se fixa em fazer afirmações mais ou menos genéricas, e se esquece de dizer ao eleitor porque não deve votar em Lula". Maia afirma ainda que "o programa de Serra é exatamente igual ao de Alckmin. Mas o de Serra está na linha certa, empurrando seus adversários para a crítica ao governo do PSDB, cuja identificação com Serra é apenas parcial e remota"O prefeito do Rio salienta ainda que "esta terça-feira é dia de programa presidencial. Aguardemos o rumo dos mesmos, para não termos que continuar torcendo para Heloísa Helena crescer como forma de compensar a TV do Alckmin e ajudar a criar o segundo turno".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.