Maia propõe pacote antiviolência comum aos estados

O prefeito César Maia (PFL) está propondo um pacote antiviolência comum entre os estados do Rio, São Paulo e Minas Gerais, que inclui a criação de uma força-tarefa de combate ao crime organizado no Sudeste. Um documento com as propostas do prefeito foi encaminhado na semana passada a autoridades federais ligadas à segurança e a parlamentares, para que suas idéias sejam discutidas.Segundo o prefeito, "hoje há fluxos interativos entra as gangues no espaço do Sudeste". Maia cita como exemplo a ligação entre as façcões criminosas Comando Vermelho, do Rio, e o Primeiro Comando da Capital, em São Paulo, suspeitos de orquestrar ações conjuntas - como o ataque à sede da Secretaria de Estado de Direitos Humanos, em maio deste ano. Do documento entregue em Brasília pelo advogado Marcelo Cerqueira, candidato a vice-governador do Rio na chapa da pefelista Solange Amaral, constam propostas como acesso aos cadastros e arquivos de identificação dos estados, operações conjuntas entre as polícias e ações unificadas de inteligência. César Maia disse que tomou a iniciativa por causa da "ponte aérea e rodoviária do crime entre Rio e São Paulo, que já dá seus primeiros e claros sinais em direção a Minas." Ele defende que, se os governos do Sudeste não atuarem em conjunto, o crime não será combatido com eficácia. O prefeito ressalvou que não caberia à sua prefeitura entrar no pacote antiviolência - já que ações de segurança são atribuições dos estados, e não dos municípios.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.