Maioria de chamadas ao disque-denúncia é sobre drogas

O Disque-Denúncia de São Paulo recebeu em janeiro 5.428 denúncias. A maioria das informações - um total de 2.240 - referia-se a tráfico de drogas. Desde sua inauguração, em outubro de 2000, as informações do Disque-Denúncia foram decisivas para solucionar quase 3 mil crimes, resultaram em prisões, apreensão de armas, recuperação de cargas e veículos, além da localização de cativeiros e desmanches.Em 2002, o serviço recebeu 72.519 denúncias e bateu o recorde do ano anterior, quando foram recebidas mais de 50 mil. Os telefonemas sobre os pontos-de-venda de drogas e indicações de nomes de traficantes ficaram em primeiro lugar.Uma denúncia feita por telefone no dia 13 evitou a fuga de presos do 38º Distrito Policial, em Vila Amália, na zona norte da cidade. Segundo o denunciante, cujo anonimato é sempre garantido pelo Disque-Denúncia, havia nas proximidades do DP uma casa abandonada, onde um grupo de 20 homens abria um túnel para o resgate de presos.A informação foi passada para o Departamento de Polícia Judiciária da Capital (Decap). Os policiais civis encontraram no interior da residência, alugada por uma quadrilha, um túnel já com 40 metros que levaria às celas do DP.Entre as informações recebidas pelo Disque-Denúncia, de 1º a 31 de janeiro, destacaram-se: tráfico de entorpecentes (2.240), outros crimes (425), homicídios (275), porte de entorpecentes (268), criminosos procurados (266), maus-tratos contra crianças (204), roubos de veículos (204) e estelionatos (168).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.