Fabio Motta/AE
Fabio Motta/AE

Maioria dos hóspedes da pousada escapou, diz governo do Rio

Instituto Médico Legal do Rio de Janeiro espera identificar os corpos de todos os mortos em até doze horas

Alfredo Junqueira e Marcelo Auler, O Estado de S. Paulo e Agência Estado

01 Janeiro 2010 | 16h23

O vice-governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, informou que a maior parte dos hóspedes da pousada Sankay, na praia do Bananal, em Ilha Grande, conseguiu sobreviver ao desmoronamento que destruiu o local, na madrugada desta sexta-feira, 1º. Segundo ele, os cerca de 65 turistas que estavam no local conseguiram sair antes da tragédia. Ainda de acordo com o vice-governador, a filha dos donos da pousada, Yumi Faraci, e um casal de amigos estão entre os mortos já identificados.

 

Entre as 15 vítimas na praia do Bananal, nove são turistas e seis moradores do local. Além da pousada, outras sete casas foram atingidas pelo desmoronamento.

 

No centro da cidade de Angra dos Reis, pelo menos outras sete pessoas também morreram soterradas por um deslizamento de terra no Morro da Carioca.

 

Oito corpos de vítimas do desabamento em Ilha Grande já estão no Instituto Médico Legal (IML) Afranio Peixoto, no Rio. Eles foram transportados de helicóptero.

 

O diretor de Polícia Técnica do Rio, Marcos Neves, acredita que o instituto consiga identificar o nome dessas pessoas por volta das 18 horas, por meio de exame papiloscópico (com impressões digitais).

 

O IML do Rio tem 22 profissionais de prontidão esperando a chegada dos corpos das vítimas do desabamento na Praia do Bananal, na Ilha Grande. Segundo o diretor do instituto, Frank Perline, com esse grupo será possível realizar 10 necropsias por hora. Neves prevê que a equipe indentificará em até 12 horas os corpos que deram entrada no IML.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.