Mais 14 corpos são identificados no IML

Entre eles está o do deputado federal Júlio Redecker, que será enterrado hoje

Bruno Moreschi, Rodrigo Brancatelli e Rodrigo Petr, O Estadao de S.Paulo

21 Julho 2007 | 00h00

O Instituto Médico-Legal (IML) identificou ontem os corpos de mais 14 vítimas do desastre, entre eles o do deputado federal Júlio Redecker (PSDB-RS), que já foi levado para o Rio Grande do Sul. Ele seria enterrado hoje às 17 horas em Novo Hamburgo. Os outros corpos são de: Rafaella Bueno Dal Prata, Caio Bueno Dal Prata, Deolinda Magaly Victoria da Fonseca, Rosângela Maria de Ávila Severo, Inês Maria Kleinowski, Paulo Rogério Amoretty Souza, Mirelle Bettiol, Claudemir Buzzanelli Arriero, Simone Wetrupp, Lina Barbosa Cassol, Peter Max Finzsch, Silvânia Regina de Ávila Alves e Helen Monteiro. Até as 22 horas de ontem, os legistas haviam identificado 26 vítimas. Os bombeiros enfrentaram ontem novos focos de incêndio no prédio da TAM Express, mas, segundo o capitão Mauro Lopes, eram áreas que estavam fechadas e, movimentadas, voltaram a receber oxigênio, gerando pequenas combustões. Os bombeiros chegaram a escorar as paredes para chegar na parte frontal do avião. A quantidade de fragmentos de corpos encontrada fez com que os bombeiros e o IML mudassem a maneira de contar as vítimas fatais. ''''Agora é difícil precisar o número de corpos. Por respeito aos parentes, iremos fazer a contagem baseada em número de sacolas'''', disse Lopes. Cada corpo ou fragmento encontrado é colocado em sacolas individuais, enviadas para o IML. Até as 22 horas de ontem eram contabilizadas 207 sacolas - já incluídos os 184 corpos retirados dos escombros. Os bombeiros procuravam mais seis desaparecidos. A equipe de aproximadamente 60 profissionais do IML - incluindo médicos aposentados que se apresentaram para ajudar e legistas que estavam de férias - tem feito longas escalas para conseguir identificar os corpos o mais rápido possível. Ontem, havia quase 180 corpos no IML, que tem capacidade para examinar 32 corpos ao mesmo tempo. Os demais eram mantidos em caminhões frigoríficos. ''''Nenhum IML do mundo está preparado para isso'''', diz Celso Periolli, coordenador da Polícia Científica de São Paulo. No aeroporto, médicos entrevistaram familiares e montavam dossiês com fotos, radiografias, informações sobre piercings, tatuagens, alianças e vestimentas das vítimas. As informações estão sendo comparadas com os corpos no IML. ''''É um trabalho longo, sem prazos e sem previsões'''', diz o diretor do instituto, Hideaki Kawata. O IML calcula que só 5% das vítimas podem ser reconhecidas imediatamente. ''''Há corpos calcinados (estágio após a carbonização). Existem casos em que dá para identificar por digital, arcada dentária ou tamanho dos ossos... Ainda não sabemos se será preciso exames de DNA.'''' O prédio da TAM Express deverá ser implodido ou demolido no fim de semana, quando o fluxo de veículos é menor na região. Segundo o comandante da Defesa Civil Municipal, coronel Jair Paca de Lima, um laudo da perícia técnica definirá o destino do imóvel. ''''Dependemos do laudo da polícia científica para avaliar como será a demolição (ou implosão).'''' Ele ressaltou que qualquer medida só será tomada após a retirada de todos os corpos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.