Mais 21 testemunhas ouvidas em processo da morte de Toninho do PT

Vinte e uma testemunhas foram ouvidas nesta quinta-feira no Fórum de Campinas, no processo doassassinato do prefeito Antonio da Costa Santos, o Toninho do PT, em 10 de setembro de 2001. O seqüestrador Wanderson Nilton de Paula Lima, o Andinho, acusado do crime, acompanhou os depoimentos.Andinho foi transferido nesta quarta-feira de Presidentes Bernardes, onde estápreso, para Campinas. A polícia não divulgou quando ele seria levado de volta. Umefetivo de quase 80 policiais se incumbiu da escolta de Andinho e da segurança noFórum durante o depoimento.Ele é o único acusado vivo do processo. Os outros três morreram em confrontos com a polícia. Segundo a Polícia Civil e o Ministério Público, Andinho estava dentro do carro deonde foi disparado o tiro contra o prefeito, mas ele não teria feito o disparo.Nesta quinta-feira, o acusado pediu ao defensor público Silvio Artur Dias para requerer que o juiz José Henrique Torres o libere de comparecer ao Fórum nas próximas audiências do caso. ?Ele disse que é muito maltratado. Vou requerer que ele só apareça quando for indispensável?, afirmou Dias.Das testemunhas desta quinta, a mais polêmica foi uma mulher assaltada duas horas antes do assassinato do prefeito. Ela afirmou que um dos dois assaltantes que levaram seu carro disse que o prefeito ia morrer. O carro foi encontrado queimado no dia seguinte. Ela descreveu um dos assaltantes como pardo, baixo e magro, mesmascaracterísticas de Andinho, mas não o reconheceu. Também depuseram dois peritos, políticos ligados a Toninho, testemunhas da fase do inquérito policial e dois dos quatro rapazes apontados pela polícia de Campinas como autores do assassinato, Flávio Mendes Claro e Anderson Rogério Davi. Eleschegaram a confessar e depois negaram o crime.Nesta quinta-feira, disseram que confessaram porque foram torturados e voltaram a negar participação no assassinato. O promotor Carlos Ayres avaliou que os depoimentos, principalmente os dos peritos, esclareceram dúvidas da defesa e comprovaram a participação de Andinho nocrime. Já Dias afirmou que eles diluíram o envolvimento de Andinho no caso.O defensor comentou que o juiz deverá autorizar a realização de novas perícias no Palio do prefeito e no Vectra que teria sido usado pelos assassinos, para esclarecer dúvidas como a altura do tiro e um buraco no pára-choque frontal do Palio, que, segundo os peritos, foi provocado pelo choque com um mourão. Dias comentou que uma nova audiência da defesa deverá ser marcada em dois meses.

Agencia Estado,

27 de fevereiro de 2003 | 19h54

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.