Mais 66 são presos por vender drogas em escolas de São Paulo

Os policiais do Departamento Estadual de Investigações Sobre Narcóticos (Denarc) prenderam 66 traficantes que vendiam maconha, crack e cocaína na entrada e nas proximidades de escolas públicas, privadas e de universidades da capital paulista. Os 150 policiais designados para prender os traficantes percorreram 90 escolas, a maioria nas zonas sul e leste. Além das pessoas autuadas, foram presos cinco menores também acusados de vender drogas. Já são 145 flagrantes e 187 presos desde o início da operação.Em junho foram presas 69 pessoas. Em agosto, os policiais da Divisão de Investigações Sobre Entorpecentes (Dise) prenderam 52 traficantes. O diretor do Denarc, delegado Ivaney Cayres de Souza, disse que o trabalho é resultado de mapeamento das escolas com problemas de tráfico de drogas.A identificação dos traficantes é feita a partir das investigações da Divisão de Inteligência e Apoio Policial (Diap), responsável pelo recebimento das denúncias. O mapa da droga nas escolas apontou problemas em 150 unidades. "Com o início das operações e com a prisão dos traficantes dá para verificar a dificuldade em se comprar drogas nas proximidades das escolas. Com isso o número de colégios e universidades com problemas vem caindo", disse. Souza afirmou que a presença dos policiais do Denarc nas escolas e universidades está fazendo com que diretores, professores e pais de alunos procurem a polícia para denunciar o tráfico de drogas. O Diap tem recebido por dia cerca de 15 denúncias que são analisadas e investigadas. Para apontar um local de venda de drogas ou um traficante a pessoa não precisa se identificar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.