Mais 7 mortos em conseqüência da chuva no Rio

Pelo menos sete pessoas morreram em conseqüência da forte chuva que atingiu o Estado do Rio na noite desta terça e na madrugada desta quarta, segundo a Secretaria da Defesa Civil. Com isso, o número de vítimas subiu para 33 neste ano. Há ainda 1.240 desabrigados e 960 pessoas desalojadas no Estado.Em Niterói, três mortes ocorreram de madrugada, após dois desabamentos. Um deslizamento fez ruir a casa de Antônio Carlos da Silva, de 39 anos, no bairro do Fonseca. Ele e uma de suas filhas, Aline, de 9 anos, morreram soterrados. A mulher de Silva e outras duas crianças foram resgatadas com vida. Moradores temem novos desabamentos na região.No bairro Engenhoca, também em Niterói, o desabamento parcial de uma casa provocou a morte de Sueli Lopes, de 60 anos. O genro dela, Tiago Lopes, de 26, e suas netas Rafaela Lopes da Costa, de 9, e Juliana Silva, de 5, tiveram ferimentos e foram levados para o Hospital Estadual Azevedo Lima.As três pessoas que morreram em Paulo de Frontin ainda não tinham sido identificadas até o fim da tarde desta quarta. No município, duas crianças também ficaram feridas com o desabamento de uma casa. Nesta quarta, a cidade estava sem luz e praticamente isolada, em conseqüência da queda de barreiras nas principais estradas de acesso.O nome da pessoa que morreu em Miguel Pereira também não foi informado. A Defesa Civil teve de usar botes para salvar moradores que ficaram isolados em bairros inundados em Belford Roxo, na Baixada Fluminense. Para Sandra Regina Fonsini, de 29 anos, e seus filhos, o resgate demorou cerca de 9 horas.Eles foram retirados de barco de sua residência, no Parque Amorim. Em Nova Iguaçu, Deise Rosa dos Santos Diogo, de 39 anos, ficou ferida com o desmoronamento de sua casa, em Camari.No fim da tarde, moradores de Queimados, também na Baixada Fluminense, interditaram as duas pistas da Rodovia Presidente Dutra em protesto contra a atuação do governo do Estado na prevenção de eventuais danos causados pelas chuvas. Eles pediam "ação imediata" das autoridades.No município de Porciúncula, a prefeitura decretou estado de calamidade pública - há 49 famílias desabrigadas. O Rio Carangola está com 2,5 metros, bem acima do normal. As chuvas também atingiram Natividade, onde foi decretado estado de emergência. Já o município de Bom Jesus de Itabapoana está em situação de calamidade pública.Em Petrópolis, a Defesa Civil registrou 43 ocorrências durante a madrugada. O deslizamento de uma barreira provocou a destruição parcial de uma casa na Vila Valentin Monken, mas ninguém ficou ferido. Na capital, o desabamento de uma casa em Jacarepaguá, na zona oeste, deixou três pessoas feridas.A Companhia de Águas e Esgotos do Estado (Cedae) reduziu a produção da Estação de Tratamento de Água (ETA) do Guandu em 50% por causa das chuvas de verão. O motivo é que houve desmoronamentos em municípios que fazem parte da bacia do Rio Guandu, causando acúmulo de detritos e prejudicando a qualidade da água captada. A redução atingirá a capital e a Baixada Fluminense.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.