Mais acidentes, apesar da lei seca

Foi registrado aumento de 10% nas ocorrências em estradas paulistas neste ano em relação a 2008

Renato Machado, O Estadao de S.Paulo

26 Fevereiro 2009 | 00h00

No primeiro carnaval da lei seca, o número de acidentes aumentou 10% nas estradas estaduais de São Paulo. A Operação Carnaval, do Comando de Policiamento Rodoviário (CPR), registrou 1.163 casos entre sexta-feira passada e a madrugada de ontem. No feriado do ano passado, foram 1.056. O balanço das rodovias federais será divulgado hoje, porque a Polícia Rodoviária Federal (PRF) encerrou a operação ontem à meia-noite.As rodovias que concentraram a maior parte dos acidentes são as que formam o sistema Anchieta-Imigrantes, que liga a capital ao litoral sul paulista. Foram registrados 208 acidentes, mas nenhum deles com vítimas fatais. De acordo com a concessionária Ecovias, o número de acidentes foi 28% superior ao do feriado do ano passado. O sistema Anchieta-Imigrantes foi o mais procurado pelas paulista e 457 mil veículos utilizaram suas rodovias.Mesmo com um número maior de acidentes, o CPR considera positivo o resultado da operação porque o número de mortes caiu 9,3%, passando de 171 para 156. O número de vítimas passou de 398 para 441 - alta de 10,8%. O número de acidentes sem vítimas também aumentou.A Secretaria do Estado dos Transportes, por outro lado, não trabalha somente com os números absolutos para construir o índice de acidentes, como faz o CPR. Ela leva em conta também a quantidade de veículos que trafegaram nas vias no período em questão, o número de dias analisado e as extensões das rodovias. Por isso, os dados da secretaria diferem dos demais e apontam uma redução de 15,3% no índice de acidentes, passando de 0,9 em 2008 para 0,7 no feriado deste ano.Além disso, o índice de mortes apresentou queda de 28% ao passar de 3,7 para 2,7 neste ano. O dado de vítimas feridas diminuiu de 53 para 42, de um ano para o outro, queda de 20,8%. PRISÕESOs casos de embriaguez ao volante praticamente dobraram em relação ao carnaval passado. O CPR flagrou 111 casos de motoristas dirigindo com limite de álcool superior ao permitido, ante 53 no ano passado. No total, 16 pessoas foram presas por essa infração durante a operação que contou com 82 bafômetros em todo o Estado. Em junho de 2008, entrou em vigor a lei 11.705, a lei seca, que tornou mais rígidos os limites toleráveis de álcool no sangue para os motoristas. Com 2 decigramas de álcool por litro de sangue - o equivalente a dois chopes -, o motorista receberá multa de R$ 957,70, perderá a habilitação e terá o veículo apreendido. Caso seja flagrado com 6 decigramas de álcool por litro, responderá criminalmente, sujeito a pena de até 3 anos de prisão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.