Mais de 1,5 mil já trocaram armas por indenização

Após alguns dias de desconfiança, os brasileiros começaram, enfim, a aderir ao programa nacional de desarmamento. Até o final da tarde desta segunda-feira, terceiro dia útil da campanha, mais de 1.500 pessoas haviam entregue as armas e houve até fila nos pontos de devolução de várias cidades.Devido à grande procura de guias de salvo-conduto para transporte de armamento ou de informações sobre o sistema de devolução, houve também congestionamento nas linhas telefônicas de superintendências e delegacias da Polícia Federal. Nos dois primeiros dias úteis, apenas 460 pessoas haviam concluído a devolução de suas armas.A crescente adesão da sociedade deixou animado o coordenador da campanha na PF, delegado Fernando Segóvia, chefe do Serviço Nacional de Armas (Sinarma). "Esse tipo de programa só dá certo com o envolvimento da sociedade. Sabíamos que o cidadão de bem entenderia o espírito da campanha", disse.Quem mora em cidade onde não há unidade da PF terá de esperar um pouco mais ou enfrentar algum contratempo para aderir ao programa. A partir da próxima semana, as superintendências da PF começam a firmar convênios com as Secretarias de Segurança dos Estados para descentralizar o recebimento de armas em todos os municípios. Convênio semelhante será firmado com o Exército para o recebimento de armas nos Estados da região Norte e em toda a faixa de fronteira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.