Mais de 130 pessoas continuam reféns em Cuiabá

Já dura mais de 41 horas a rebelião no Presídio do Carumbé em Cuiabá. Pelo menos 139 pessoas ainda são mantidas como reféns. As negociações com os presos rebelados, retomadas esta manhã, já entram no segundo dia. Ontem, por volta das 20h30, as negociações haviam sido suspensas com a comissão de crises do sistema penitenciário.A rebelião começou às 15 horas de quinta-feira, quando os detentos se recusaram a voltar para as celas e não permitiram a saída das visitas. A recontagem da lista oficial dos reféns, feita ontem à noite, mostra que, ao todo, 168 pessoas estiveram em poder dos presos: 107 mulheres, 7 homens e 54 crianças. Desses, 29 reféns foram libertados no início da noite de ontem: 22 mulheres e 7 crianças. Entre as 139 pessoas que permanecem como reféns estão 4 agentes carcerários. Energia elétrica e alimentação foram cortados no início da noite de quinta-feira para os 368 rebelados.A secretária de Justiça e Cidadania não vai autorizar a entrada de policiais do Comando Independente de Operações Especiais (Cioe) para sufocar o motim. Segundo a polícia, cerca de 300 homens da Polícia Militar ficarão de sobreaviso nas proximidades do presídio. O secretário de Segurança Pública, Benedito Corbelino, acusou parentes de presos de conivência com a rebelião. Segundo a polícia, familiares dos rebelados sabiam da rebelião e teriam contribuído com o motim levando, no dia da visita, uma quantidade de comida acima do normal. Ontem, em plena Sexta-Feira Santa, houve um churrasco dentro do presídio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.