Mais de 400 policiais fazem operações em comunidades de Niterói e Maricá, no Grande Rio

Balanço final da operação será divulgado mais tarde

Agência Brasil,

08 Março 2012 | 12h32

SÃO PAULO - Mais de 400 policiais militares realizam hoje (8) operações em favelas de Niterói e Maricá, no Grande Rio, com o objetivo de combater o tráfico de drogas na região. Notícias veiculadas recentemente pela imprensa relatam que houve aumento das ocorrências criminais violentas em Niterói, município ligado à cidade do Rio de Janeiro por uma ponte de cerca de 15 quilômetros.

 

"Na verdade, os índices criminais de Niterói não condizem [com as notícias da imprensa]. Os crimes de rua têm caído bastante aqui na região. Porém, atendendo a um clamor público, estamos fazendo essa operação para combater o tráfico de drogas, com base em informações da Coordenadoria de Inteligência da Polícia Militar", disse o assessor de comunicação da PM fluminense, capitão Ivan Blaz.

 

De acordo com dados do Instituto de Segurança Pública (ISP), entre 2010 e 2011, os homicídios caíram 13% e os roubos a residência diminuíram 17%. Por outro lado, as ocorrências de roubos de veículos aumentaram 6%, os assaltos a pedestre subiram 5%, os roubos em ônibus cresceram 27% e os assaltos a banco duplicaram.

 

Moradores da região de Niterói têm reclamado da migração de criminosos de favelas ocupadas por Unidades de Polícia Pacificadora (UPP) na capital para esses municípios. No entanto, de acordo com a PM, a Secretaria de Segurança está atenta e não constatou migração desses criminosos para a região de Niterói.

 

O capitão Ivan Blaz informou que não foram registrados confrontos durante a ocupação das comunidades hoje. O balanço final da operação, com o número de prisões e apreensões será divulgado mais tarde. O oficial não disse se a polícia continuará ocupando as sete comunidades, onde realiza a operação. As informações são da Agência Brasil.

Mais conteúdo sobre:
Tráfico de drogas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.