Mais de 7 mil pegaram dengue na Baixada Santista

Um total de 7.188 pessoas já contraíram dengue, somente neste ano, na região metropolitana da Baixada Santista, de acordo com o último levantamento feito pela Diretoria Regional de Saúde (DIR/19), ligada à Secretaria de Saúde do Estado.Santos tem 3.848 casos, seguido por Cubatão (1.379), Guarujá (1.099), São Vicente (790), Praia Grande (71) e Itanhaém (1). Embora esses dados correspondam às notificações encaminhadas ao setor de Vigilância Epidemiológica e comprovadas por intermédio de exames de sangue feitos pelo Instituto Adolfo Lutz, a estimativa da DIR é de que um número muito maior de pessoas, cerca de 100 mil, já teriam contraído a doença nos últimos anos, levando-se em conta que nem todos os casos estão sendo notificados às autoridades sanitárias. Segundo o diretor da DIR, José Ricardo Martins Di Renzo, a estimativa é baseada em trabalhos científicos, demonstrando que, para cada doente notificado, pelos menos dez passam despercebidos - entram em contato com o vírus e não desenvolvem os sintomas clássicos da doença ou mesmo mostram-se assintomáticos."Tendo em vista que a região e, sobretudo, a cidade de Santos, vem registrando a ocorrência de casos da doença desde 1997, o número de 100 mil doentes não chega a ser alarmante", ponderou.O médico Ricardo Hayden, da Secretaria Municipal de Saúde, confirmou o primeiro caso de dengue hemorrágica em um aposentado de 69 anos, que ainda está internado no Hospital Ana Costa. Mas Di Renzo entende que só o Centro de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde do Estado tem condições de afirmar que se trata mesmo da forma hemorrágica da moléstia. Em São Paulo, o penúltimo relatório de dengue da Secretaria Municipal da Saúde, no dia 11, indicava 157 casos notificados, quase todos na zona norte. Hoje esse número subiu para 177.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.