Mais de meio milhão de pessoas participam da Parada Gay

Mais de 600 mil pessoas, de acordo com estimativa dos organizadores, participaram neste domingo da 6ª Parada do Orgulho Gay. A concentração foi na altura do número 1.000 da Avenida Paulista e a passeata seguiu em direção à Praça da República, no centro de São Paulo. A prefeita Marta Suplicy (PT), acompanhada pelo candidato petista ao governo doEstado de São Paulo, José Genoíno, ocuparam o primeiro dos sete trios elétricos quepuxam o desfile. A chegada de Marta, pouco depois das 15 horas, provocou um tumultoque resultou até em troca de tapas entre jornalistas e seguranças da prefeita. Todosqueriam subir ao mesmo tempo no caminhão, e houve tumulto quando osseguranças começaram a empurrar jornalistas, cinegrafistas e fotógrafos que queriamacompanhar a prefeita de perto. As duas pistas da Avenida Paulista, completamente tomadas pela multidão, ficaram interditadas. A Polícia Militar colocou um efetivo de mais de 400homens no policiamento.MartaA prefeitaMarta Suplicy disse que espera que seu projeto de união entrehomossexuais seja aprovado na Câmara dos Deputados ainda este ano. A prefeita lembrou que na primeira parada havia apenas cerca de 200 pessoas. "Todos olhavam assustados, mas aos poucos o respeito pela cidadania foi se impondo",afirmou. Marta disse ainda que tem muito orgulho de administrar uma cidade que realizaum evento como a Parada do Orgulho Gay, com tantos manifestantes. Tambémparticiparam da parada os vereadores do PT Adriano Diogo e Italo Cardoso, e osdeputados estadual Renato Simões, além de José Genoíno. Além de políticos, prestigiaram o evento os atores da RedeGlobo José Wilker, Otávio Muller, Vera Holtz e Cris Couto. Amodelo e apresentadora Luciana Gimenez, da Rede TV, foi eleita Rainha Gay. Boa partedos presentes não concordou com a escolha. Ela foi vaiada porque, segundo algunsmanifestantes, no dia 13 de abril último teria feito um programa "homofóbico". Entre o público GLS que acompanha a passeata, havia também representantes de movimentos religiosos. Eles defendem que os direitos de igualdade dos homossexuais devem ser reconhecidos. Entre os religiosos estava um grupo católico, que distribuiupanfletos durante a passeata, e outro de Testemunhas de Jeová, que portavam faixas commensagens de apoio ao movimento gay.Cássia Eller A cantora Cássia Eller, que morreu na véspera do ano novo, foi bastantehomenageada. Houve um manifesto, assinado inclusive pela prefeita, a favor de que a companheira da cantora, Eugênia, detenha a posse do filho de Cássia,Chicão. Além dos vários grupos presentes na manifestação, de homossexuais, delésbicas, de drag queens, muitas crianças e cachorros fantasiados e com o pelo coloridoacompanharam a parada. Ao som de música tecno, disco anos 70, muita Cássia Eller e Legião Urbana aParada atravessou a Paulista. Entre os manifestantes muitos curiosos e muitas bandeirasdo PT, da CUT, do MST, do Brasil e do Corinthians, lado a lado com as bandeiras quetraziam desenhos do arco-íris, símbolo do movimento gay.Curitiba, Brasília e RioOutras três cidades irão receber a edição da 6a Parada do Orgulho Gay, que está acontecendo hoje em São Paulo. No próximo domingo (8), será em Curitiba (PR), depois em Brasília (14) e finalmente no Rio, dia 29.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.