Mais duas casas são demolidas na área do acidente do Metrô

Mais duas casas atingidas pelo desabamento no canteiro de obras da Estação Pinheiros da Linha 4 Amarela do Metrô foram demolidas na madrugada desta terça-feira, 23. Com isso, chega a cinco o número de imóveis demolidos por estarem condenados devido ao acidente. Mais dez imóveis estão condenados no entorno do local do desabamento. Ao todo, foram realizadas 69 vistorias, 55 imóveis foram interditados e 14 liberados. Os imóveis, nos número 87 e 93 da Rua Capri foram demolidos porque não apresentavam condições técnicas de recuperação após o acidente ocorrido na obra do Metrô. A necessidade da demolição foi constatada em inspeção realizada por técnicos da Prefeitura e acatada pelo Consórcio. A Rua Capri continua interditada, pois não oferece condições de habitabilidade para seus moradores - os serviços públicos de água, luz, esgoto e telefone continuam interrompidos. As famílias que residiam no local prosseguem hospedadas em hotéis do bairro de Pinheiros, com despesas pagas pelo Consórcio.Segundo a Defesa Civil do município, uma nova vistoria deve ocorrer nas casas que permanecem interditadas. Ainda não há data, nem horário previsto, já que a realização da vistoria depende da presença de técnicos da Defesa Civil e de representantes do Corpo de Bombeiros, da Defensoria Pública, do Ministério do Trabalho e dos engenheiros do Metrô e do Consórcio Via Amarela, responsável pela obra. Assim que representantes de todos esses órgãos estiverem reunidos no local a vistoria será iniciada. BuscasO Corpo de Bombeiros continua no local, por medida de segurança e para procurar uma possível sétima vítima, o office-boy Cícero Augustino da Silva, de 58 anos, que pode estar entre os escombros. As equipes de resgate monitoram o trabalho de cinco máquinas que fazem taludes (rampas) para estabilizar o solo e retirar a terra que desabou. Segundo o capitão Mauro Lopes, do Corpo de Bombeiros, o guindaste de 40 metros de altura e 120 toneladas que ameaçava a segurança no local já foi totalmente desmontado. Lopes informou também que, assim que as máquinas chegarem ao fundo da cratera, as equipes de resgate dos bombeiros descerão com duas cadelas farejadoras para procurar o office-boy. Lopes afirmou que os riscos no local já diminuíram consideravelmente. ?O risco pior já foi. Agora está tudo controlado, e o nivelamento do terreno impede que a terra desça?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.