Mais fiscais - e uma boa idéia

Carta 19.736Após a reforma da fachada do Shopping Paulista, os táxis tomaram a faixa em frente, motoristas ali param de pisca-alerta ligado, ônibus fretados descarregam dezenas de pessoas com sacolas, estreitando e tumultuando o final da 13 de Maio. E a CET e a gerência do shopping nada fazem para coibir essas infrações.DÉCIO HERNANDEZ di GIORGIBela Vista A CET responde:"Desde dezembro, quando o leitor fez a queixa (resp. de 28/5), mantemos fiscalização intensificada na Rua 13 de Maio, alt. do shopping. De maio a dez/2007, no trecho entre Pça. Osvaldo Cruz e Pça. Amadeu Amaral, foram aplicadas 1.452 autuações (555 por estacionamento) e 1.282 veículos foram orientados por parada irregular. A fiscalização será intensificada,para garantir o uso racional da rua." Com pequenas interferências e alguma fiscalização, o tráfego melhoraria muito; o fluxo na Faria Lima (da Rebouças à Gabriel M. da Silva, sentido C. Jardim) seria mais ágil se fizessem uma faixa adicional de retorno na alt. do 1.982, como no retorno diante do Clube Pinheiros antes da Tucumã. O canteiro central da Faria Lima é bonito, mas diante do trânsito caótico, antigas prioridades devem ser revistas.LUIZ AUGUSTO PEREIRA de ALMEIDAPinheirosA CET responde:"Temos projeto que prevê a criação da faixa de acomodação sugerida. A proposta, incluída no projeto de reforma do passeio da Faria Lima, está em elaboração."Carta 19.737Vidência no DetranEscrevo para alertar que, salvo erro grosseiro dos agentes do Detran, eles têm o dom da vidência. Em 9/12, fui multada por ?conduzir veículo sem os documentos de porte obrigatório? na Av. Oratório, 4.473, às 21h15. Entrei com recurso contra essa multa absurda e inexistente, e creio que, se o responsável pelo setor de recursos lesse os argumentos (parece que nem isso é feito), certamente deferiria o recurso - mas a ?resposta? foi o boleto para pagar a multa. Primeiro: não estou dirigindo, porque a CNH está vencida desde 27/4 e não a renovei. Se eu tivesse sido pega dirigindo com a CNH vencida, seria multada por isso, não por estar sem documentos de porte obrigatório. Mas esse tipo de infração exige que o agente aborde o motorista - a não ser que ele fosse vidente e adivinhasse que eu estava dirigindo sem os documentos. A providência mínima a tomar seria arrestar a CNH vencida e apreender o carro, mas nada disso aconteceu. Outra possibilidade é outra pessoa estar dirigindo o carro - mas ela também deveria ser abordada pelo fiscal e ser automaticamente identificada. Ou seja, eu nem sequer receberia o formulário para identificação do condutor do veículo, como recebi. Como é que sem abordar e identificar o condutor os agentes saberiam que ele não portava os documentos de porte obrigatório? Peço que o Detran prove que sou culpada, e como.TÂNIA RABELLOVila anglo-brasileiraO Detran/SP responde: "Verificamos o microfilme da multa aplicada pela Polícia Militar e constatamos divergência nas letras da placa multada. No campo superior, onde são anotadas as letras, o agente pôs ?X? nas letras DJK, mas logo abaixo, na seqüência alfanumérica, a letra J parece um S, o que confundiu o digitador no momento de emitir o boleto. Os números são os mesmos nos dois carros. Não foi enviada notificação de condutor porque o policial, ao parar o carro, anotou os dados do condutor juntamente com os dados do dono do veículo, que diferem dos da leitora. O recurso em defesa prévia dá entrada muito antes de a multa ser microfilmada no setor de Microfilmagem do Detran, dessa forma, não foi possível identificar o erro naquele momento. Essa fase de identificação de erro, quando o cidadão não o faz na defesa prévia, cabe à Jari, órgão independente, não subordinado ao Detran. Como identificamos o erro e não havia recurso na Jari, encaminhamos a documentação de defesa prévia, junto com a cópia da microfilmagem, comprovando o erro, tendo o recurso sido deferido em julgamento feito pelos membros da Jari. Segundo eles, a leitora deve ser informada nos próximos dias do deferimento do recurso. Apesar de não ser de responsabilidade do Detran a aplicação da multa, e tampouco o julgamento pela Jari, concentramos esforços para auxiliar d. Tânia, pedindo a correção do equívoco."A leitora comenta:Agradeço à coluna e ao Detran/SP, observando que certamente a interferência de O Estado de S. Paulo adiantou o processo.Correspondência para São Paulo Reclama: e-mails para spreclama.estado@grupoestado.com.br; cartas para Av. Eng.º Caetano Álvares, 55, 6.º, CEP 02598-900 ou fax 3856-2929, com nome, end., RG e tel., a/c de CECILIA THOMPSON, podendo ser resumidas a critério do jornal. Cartas sem esses dados não serão consideradas. As respostas não publicadas serão enviadas pelo correio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.