Mais quatro skinheads vão a júri amanhã

Quatro skinheads acusados de assassinar a pancadas o adestrador de cães Edson Neris da Silva, de 35 anos, e de tentar matar seu acompanhante, Dario Pereira Neto, em fevereiro de 2000, na Praça da República, em São Paulo, entram amanhã em julgamento, às 13 horas, no 1º Tribunal do Júri, no Fórum Criminal da Barra Funda. Vanderlei Cardoso de Sá, Roberto Fernando Gros Dias, Davi Alves dos Santos Júnior e Regina Saran vão responder por homicídio qualificado e tentativa de morte qualificada. Se condenados, estarão sujeitos a penas que vão de 15 a 50 anos de prisão.As vítimas foram atacadas porque caminhavam de mãos dadas. Participaram da agressão 18 ?carecas?, mas apenas 9 fórum pronunciados e mandados a júri. Quatro já foram julgados: Juliano Filipini e José Nilson Pereira da Silva pegaram 21 anos de cadeia em regime fechado. Jorge da Cunha Soler foi condenado à 2 anos e 10 meses de prisão por tentativa de homicídio. E em junho de 2001 o júri absolveu, por falta de provas, Marcelo Pereira Martins. A última sessão de julgamento realizou-se em 26 de fevereiro, quando Regina Saran sentou-se no banco dos réus. O julgamento não chegou ao fim, pois às 3h30 da madrugada o juiz Luiz Fernando Camargo Vidal, diante da deficiência do advogado Aloisio Sebastião de Lima, considerou a acusada "indefesa". O julgamento que começa amanhã tem duração prevista de dois dias consecutivos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.