Mais que samba no pé, Gaviões exige paixão pelo Corinthians

Numa escola que nasceu do futebol, ter samba no pé pode até ser opcional. Imprescindível mesmo é a paixão pelo Corinthians. E os torcedores-sambistas dão prova de fidelidade, colocando os ensaios da Gaviões entre os mais animados da cidade. Às terças-feiras e domingos, a quadra no Bom Retiro recebe 4.500 pessoas, cada uma pagando R$ 3,00. Mas a coisa fica mesmo quente às sextas-feiras, quando a galera do Parque São Jorge comparece em peso para ouvir a bateria de mestre Nelsinho. É preciso até fechar a rua e deixar os portões abertos para receber as 6 mil pessoas. "Sem dúvida é o dia mais quente", diz João Paulo Novais, produtor do Gaviões Samba Show, o Macalé. Dentro da quadra, os gaviões formam um mar preto e branco. Alguns se vestem de vermelho, uns poucos, de amarelo, mas a maioria usa as cores da escola-time - quando não, camisas oficiais. E para esquentar os tamborins, vai o quê? O hino do Corinthians, é claro. Uma bandeira do clube é sacudida no meio da multidão. A porta-bandeira também dá seu show. Fogos iluminam e enchem a quadra de fumaça. Todos cantam o hino. Já a música deste ano alguns ainda não conhecem direito. Isso, no entanto, não é problema. Nas quase quatro horas de ensaio, fica difícil não aprender o samba. Conversando com amigos, Arethusa Portella, de 25 anos, mais parece uma roqueira - correntes no pescoço, calça desfiada. Mas não é nada disso. Apaixonada pelo Corinthians, começou a ir aos jogos aos 8. E aos 14 descobriu a escola. Vários desfiles depois, ela é uma das fiéis visitantes da quadra. Só não participa às sextas. "Fica lotado." Às terças e aos domingos, porém, o programa é sagrado, apesar de trabalhar às 8 horas no dia seguinte. "Cansa, mas vale a pena. É um dos melhores ensaios da cidade", disse, na terça-feira. Já os Gonzalez (parte da família é Gonsalez, por um erro de cartório) comparecem unidos como um time de futebol. A escalação: Viviana, Suellyn, Luana, Carlos Alberto, Marcia, Danilo, Patrícia, Marcos. Na quadra pela primeira vez, Danilo faz parte da torcida do clube. Sempre gravou os jogos do time e há alguns anos começou a gravar os desfiles da escola - do futebol para o samba.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.