Mais renda, menos ônibus

Em relação à renda e o modo de locomoção, um tradicional gráfico mostra que, à medida que a receita da família aumenta, cresce também a porcentagem de viagens em transporte individual - carros e motos - e diminui a quantia em transporte coletivo. O gráfico forma um "x" e o ponto de encontro entre as retas determina a faixa de renda familiar em que a maioria das viagens passa a ser com carros e motos. Em relação à edição de 1997, a última pesquisa "Origem e Destino" - com dados de 2007 - mostra que houve antecipação do ponto de encontro. As viagens com transporte individual antes eram maioria a partir de renda superior a R$ 3.040, mas agora já superam o transporte coletivo na faixa dos que ganham entre R$ 1.520 e R$ 3.040.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.