Mais um envolvido em morte de prefeita é condenado

O quarto homem envolvido no assassinato da prefeita de Mundo Novo, no extremo sul deMato Grosso do Sul, Dorcelina de Oliveira Follador (PT), foi condenado nesta terça-feira a dez anos e quatro meses de cadeia. É Roldão Teixeira de Carvalho, culpado da montagem doplano execução de Dorcelina.O julgamento durou pouco mais de dez horas consecutivas com o Tribunal do Júri lotado, como aconteceu na primeira fase, ocorrida no dia 18 do mês passado, quando três acusados foram julgados, sendo dois condenados a 13 anos de reclusão e um a 13 anos e seis meses.Roldão é que pegou a menor pena até agora, pois o júri achou que sua participação no homicídio não foi tão grave em relação aos demais.Quando foram julgados, Valdenir Machado, Theófilo Stoker e Esmael Meurer Silveira juraram inocência perante o Conselho de Sentença do Tribunal do Júri, no Fórum de Campo Grande, alegando que foram torturados pela polícia para confessar participação no crime.Porém, segundo consta do inquérito policial, os três condenados confessaram ter colaborado no planejamento, execução do homicídio e na fuga de Getúlio Machado, acusado de ser o autor dos oito tiros que mataram Dorcelina.Getúlio é irmão de Valdenir Machado e, juntamente com Esmael Meurer Silveira, colaborou no transporte do pistoleiro para o local do assassinato e, em seguida, o ajudou a fugir. Valdemir Machado e Esmael foram condenados a 13 anos de prisão. Theófilo Stoker teve condenação de 13 anos e seis meses. Roldão Teixeira de Carvalho foi julgado co-executor do crime.No próximo mês será julgado Getúlio Machado. Ele é apontado como autor dos tiros disparados à noite, de um muro da lateral da casa da vítima, quando ela estava sentada na varanda de sua casa, no centro da cidade, conversando com o esposo e com uma filha menor de idade.Em maio será julgado Jusmar Martins da Silva, acusado de ser o mandante do crime. A Polícia Civil constatou que Jusmar Martins da Silva, que em 1999 era secretário municipal de Finanças da Prefeitura Municipal de Mundo Novo, teve um desentendimento com Dorcelina e acabou sendo demitido da prefeitura.Segundo o viúvo, atual vice-prefeito daquele município, Celso Follador, por vingança, Silva contratou Getúlio, depois de tentar contratar Stoker, que não aceitou a proposta de receber R$ 5mil pela pistolagem. Depois do assassinato, Getúlio foi até a casa de Stoker, em Guaíra(PR) e escondeu a arma do crime.

Agencia Estado,

18 de março de 2003 | 18h53

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.