Mais um pai é suspeito de ter abusado de filha por quase 20 anos no MA

Assim como no caso de Pinheiro, lavrador Martins da Conceição é suspeito de ter tido sete 'filhos-netos' na cidade de Riachão

Wilson Lima, especial para o Estado

06 de julho de 2010 | 15h44

SÃO LUÍS - O lavrador Martins da Conceição, de 61 anos, é considerado suspeito de abusar da própria filha, Maria Dalva Rodrigues da Silva, de 31 anos, por um período aproximado de 20 anos na cidade de Riachão, distante cerca de 860 km de São Luís. Ele teria tido sete filhos Maria Dalva: o mais velho de 15 anos e o mais novo de apenas nove meses. O lavrador confessou no final de semana passado que dos sete filhos, três seriam dele. Maria Dalva afirmou à Polícia Civil maranhense que todos os filhos são do próprio pai.

 

Martins da Conceição foi preso no último dia 30 pela Polícia Civil do Maranhão após ter sua prisão preventiva decretada pela Justiça de Riachão. Desde então, ele é mantido em uma cela separada na Delegacia do Município. Já Maria Dalva Rodrigues da Silva e seus filhos estão abrigados na residência de um político da cidade. Eles já receberam acompanhamento psicológico e social da prefeitura de Riachão. A promotora Ana Cláudia Cruz dos Anjos, responsável pelo caso, solicitou a realização de exames de DNA para comprovar a paternidade do lavrador. A expectativa é que as amostras sejam retiradas até sexta-feira.

 

Segundo informações do Conselho Tutelar de Riachão, as primeiras denúncias sobre o caso surgiram em maio. Eles moravam em um casebre de palha e piso de terra batida no povoado Lago Bonito, distante cerca de 70 km da sede de Riachão. A casa era completamente isolada tanto que a residência mais próxima deste casebre ficava a uma distância de aproximadamente dois quilômetros.

 

Conforme as denúncias do Conselho Tutelar de Riachão, Maria Dalva vivia em regime de cárcere privado e semiescravidão. Ela era impedida de sair da residência onde morava e de manter contato com outras pessoas que não fossem da família. A família vivia basicamente da agricultura familiar, das aposentadorias de Martins, da sua esposa, Maria Rodrigues da Silva e do Bolsa-Família que Maria Dalva recebia. A denúncia do Ministério Público que suscitou a prisão de Martins da Conceição tomou como base crimes como cárcere privado, abuso sexual e incidência de trabalho escravo.

 

Nos primeiros depoimentos à Polícia, Maria Dalva afirmou que nunca denunciou o caso por não entender que aquilo era crime. Ela também afirmou à Polícia que tinha medo do pai. Maria Dalva está abalada emocionalmente. A mãe de Maria Dalva, a aposentada Maria Rodrigues da Silva, defendeu o marido e negou a existência da relação incestuosa. Ela entrou em depressão após a repercussão do caso na cidade.

 

Memória. Esse não é o primeiro caso de incesto registrado no Maranhão esse ano. No dia 08 de junho, o lavrador José Agostinho Bispo Pereira, de 54 anos, foi preso acusado de ter abusado sexualmente das duas filhas e de ter oito "filhos-netos" com ambas (sete com apenas uma delas) na cidade de Pinheiro. Além dele, o lavrador Raimundo Pimentel Correia, de 69 anos, foi preso uma semana depois acusado de abusar da própria filha de 12 anos, assim como, José Raimundo Pereira, no dia 25. Esses dois últimos casos também aconteceram em Pinheiro.

Tudo o que sabemos sobre:
Maranhãoincesto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.