Mais um policial é morto no Rio

Mais um policial foi morto no Rio. Na noite de quinta-feira, o inspetor Milton de Andrade Cardoso, de 50 anos, foi atacado por dois bandidos quando passava com sua motocicleta pela Avenida Itaoca, em Ramos, na zona norte, perto do morro da Fazendinha. De janeiro a julho, 90 policiais civis e militares morreram no Rio de Janeiro - a maior parte deles quando estava de folga. O crime ocorreu por volta das 19h30. Cardoso já chegou morto ao hospital Getúlio Vargas, na Penha. O corpo dele foi enterrado ontem às 15 horas no cemitério de Inhaúma. Ainda não há pistas sobre os assassinos, que levaram a moto e a arma dele e fugiram em direção à Fazendinha. Cardoso tinha mais de 20 anos de polícia e atualmente trabalhava na Divisão de Fiscalização de Armas e Explosivos (Dfae). Na quinta-feira à tarde, outra morte de policial chocou a população: o sargento da reserva da PM Ronaldo Viana dos Santos, de 50 anos, foi executado com dois tiros de pistola calibre 45 na cabeça na frente de sua filha, Joice Fonseca dos Santos, de 18, dentro de um ônibus, em Niterói, na Grande Rio. O atirador assaltou o PM e tentou levar Joice. O pai pediu para que ele deixasse a menina e o homem atirou. Pai e filha haviam acabado de deixar uma agência bancária. O criminoso fugiu levando o dinheiro sacado por Santos e os pertences dele. O PM morreu na hora. Segundo dados da Secretaria de Segurança Pública contabilizados até o mês passado, desde janeiro, 2 policiais civis e 28 PMs haviam morrido em serviço. Oito civis e 52 militares, durante a folga.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.