Mais um presídio de SP recebe bloqueador de celular

A Penitenciária de Mirandópolis, na região noroeste do Estado de São Paulo, passou a contar com bloqueadores de celulares. O sistema impede que sejam feitas ou recebidas ligações no presídio através desses aparelhos. Seis antenas bloqueadoras foram instaladas nas torres de vigilância da cadeia. Num teste realizado dentro do prédio surgiu uma mensagem informando que o serviço estava indisponível, informou o Bom Dia SP, da TV Globo. Todos os sinais emitidos pelas antenas são registradas por um computador. Ele funciona como um sistema de proteção que acusa quando há interrupção no bloqueio ou violação nas antenas. No ano passado, os agentes de segurança conseguiram impedir a entrada de 400 aparelhos celulares nas unidades do Estado durante o horário de visita. Só na Penitenciária de Mirandópolis, onde 946 presos cumprem pena em regime fechado, foram apreendidos 48 telefones. A Secretaria Estadual de Administração Penitenciária também autorizou a instalação das antenas bloqueadoras nas unidades de Marília, Presidente Venceslau, Presidente Bernardes, Iaras e no Centro de Detenção Provisória (CDP) de Guarulhos. Até o fim do ano, outros 15 presídios do Estado vão receber os bloqueadores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.