Mais um skinhead é condenado pela morte de adestrador de cães

Após 11 horas de duração, terminou nesta madrugada o julgamento de Henrique Velasco, 25 anos, integrante do grupo de skinheads que em 6 de janeiro de 2000, na Praça da República, no centro de São Paulo, matou o adestrador de cães Édson Néris da Silva. O acusado foi condenado a 19 anos e 6 meses de prisão por homicídio triplamente qualificado, tentativa de homicídio duplamente qualificada e formação de quadrilha.A principal testemunha de acusação foi o morador de rua Hélio Cândido da Silva, que presenciou o espancamento. Durante o julgamento, no 1º Tribunal do Júri, no Fórum da Barra Funda, zona oeste da capital paulista, Velasco declarou-se inocente aos jurados. O julgamento de Davi Alves dos Santos Jr., que deveria acontecer simultaneamente, foi adiado por suspeição de um dos jurados. Dos 18 skinheads indiciados pelo crime, Henrique Velasco é o sexto a ser condenado. Dois foram absolvidos e dez ainda serão julgados. As informações são do jornal Bom Dia SP, da TV Globo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.