Mais um sorriso na parede

Exibir presidentes risonhos é uma tradição de uma família cujas origens se misturam entre a Suíça e a Paraíba. O Planalto divulgou ontem a foto oficial da presidente Dilma Rousseff, feita na tarde do último domingo na varanda do Palácio da Alvorada. A imagem foi registrada pelo fotógrafo da Presidência, Roberto Stuckert Filho.

Leonencio Nossa / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

15 de janeiro de 2011 | 00h00

Entre amigos, o pai do fotógrafo de Dilma, Roberto Stuckert, conhecido como Stuckão, chorou ao ver a foto oficial da presidente. Só os Stuckerts conseguiram na história da República fotografar presidentes sorrindo, disse, orgulhoso. Stuckão foi a primeira pessoa a conhecer a foto escolhida por Dilma.

Em 1979, Roberto Stuckert pai conseguiu a proeza de fotografar o sisudo general João Figueiredo, último dos cinco presidentes do regime militar, "mostrando os dentes".

No começo de 1995, Stuckão auxiliou o fotógrafo Getúlio Gurgel na produção do retrato de Fernando Henrique Cardoso, que posou com um sorriso discreto - sem exibir os dentes. Quando Luiz Inácio Lula da Silva tomou posse, em 2003, um outro filho de Stuckão, Ricardo Stuckert, fotografou o presidente também sorrindo, tornando a descontração dos retratados uma marca da família.

A história dos Stuckerts no Brasil começou com a chegada do suíço Eduard Francis, desenhista de cartas náuticas que desembarcou na Paraíba, no começo do século 20, onde passou a viver como fotógrafo. A família está em Brasília desde os primeiros tempos da cidade. Mudam governos e regimes, mas os Stuckert sempre estão com as câmeras apontadas para os ocupantes do Planalto.

Edição. Dilma foi maquiada e penteada por Celso Kamura. Roberto Stuckert fez um total de 60 fotos. A imagem escolhida apareceu logo no início do trabalho de produção, no décimo clique.

No domingo, Dilma chegou a olhar algumas fotos na tela do computador. Só ontem, sexta-feira, ela teve tempo para receber o fotógrafo e definir qual foto iria para a parede de todos os gabinetes e órgãos públicos federais.

Desde FHC, o Alvorada ilustra as fotos oficiais dos presidentes. FHC posou na biblioteca da residência oficial e Lula escolheu a área externa do palácio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.