Malan critica programa de governo apresentado por Lula

O ex-ministro da Fazenda, Pedro Malan, criticou nesta quarta-feira o programa de governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e deixou claro que, na sua opinião, o documento do PT vai de encontro ao discurso oficial de promoção de um ajuste fiscal nas contas do Executivo."O documento anunciado nesta terça-feira na imprensa traduz claramente esse desejo de expectativas adicionais de gastos", disse Malan, para quem, quaisquer que sejam os futuros governos, é necessário que a questão da redução dos gastos governamentais seja colocada de forma clara e convicta nos seus programas. "Porque, se não forem com convicção, do tipo que estamos vendo agora, não adianta, não tem efeito", acrescentou.Para Malan, parece haver de forma clara uma diferença entre o que o governo federal tem pregado e o que está exposto no seu programa de governo para o próximo mandato. "Quem lê a imprensa hoje vai ler um documento anunciando, agora, que o expresso, na verdade, nas suas entrelinhas, uma outra visão, uma outra postura e expectativa (que não a da redução de gastos públicos)", afirmou Malan, que ainda atacou as decisões tomadas pelo governo neste ano na área fiscal."Houve decisões tomadas neste ano sobre a expansão de gastos do governo, que elevam o piso, a partir do qual novas trajetórias de gastos com consumo do governo terão lugar já a partir do ano que vem", afirmou.Malan também lembrou que a estabilidade econômica observada hoje no País se deve também ao processo de transição entre os governos Fernando Henrique Cardoso e Lula. Acrescentou ainda, que a crise enfrentada pelo País em 2002 se deveu, em grande parte, às expectativas negativas sobre a gestão econômica da futura administração petista."Na virada de 2002, todos viveram as incertezas associadas àquelas expectativas, que não eram destituídas de fundamento. Elas tinham a ver com o que havia sido dito, escrito e aprovado nas mais altas instâncias partidárias e foi uma das razões pelas quais o câmbio foi de R$ 2,30 a R$ 4 naquele ano", comentou o ex-ministro que participa do seminário "Brasil: Perspectivas e Propostas 2007-2010", na capital paulista.Por fim, Malan elogiou o ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci, também palestrante do evento, a quem credito o esforço de continuidade da política de estabilização da economia brasileira. "O Brasil muito deve ao ministro Palocci, pelo fato de ter percebido a importância de preservar conquistas que não eram mais de um governo, mas da sociedade brasileira", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.