Malhação de Judas surra políticos e protesta contra lixo

A Malhação do Judas na Rua Lavapés, Cambuci, região central de São Paulo, surrou os políticos e os vilões do momento desde as 12 horas deste sábado, 7. Em outra região da cidade, na Bela Vista, outro Judas foi malhado em protesto contra o acúmulo do lixo. O principal ?homenageado? foi o prefeito Gilberto Kassab (Democratas). ?Ele foi o mais pedido?, disse Oswaldo Rodrigues das Neves, de 41 anos, conhecido como Magrão, que organiza o evento no local há 21 anos. Já no cruzamento das ruas Conselheiro Carrão e Maria José, na Bela Vista, foi a primeira vez em décadas que os políticos não foram diretamente "malhados". ?Durante 45 anos malhamos os políticos, mas nosso bairro está empesteado de lixo?, explicou o organizador do evento, Sérgio Lúcio de Oliveira, de 55 anos. No fim da festa, as crianças ganharam bolo e cachorro-quente. Magrão, que sempre faz os bonecos que as pessoas pedem, contou que o principal motivo para que Kassab despertasse a fúria dos participantes foi a Lei da Cidade Limpa. ?Além de querer acabar com os camelôs ele (Kassab) agora quer caçar os comerciantes?, explicou Magrão. No total, oito bonecos de 1,80 m foram malhados por cerca de cem pessoas, a maioria crianças. Corrupção em baixa O delegado corrupto Nogueira, interpretado pelo ator Marcelo Serrado na novela Vidas Opostas, da Record, não escapou. Também entraram na dança os deputados federais Clodovil Hernandes e Frank Aguiar, o presidente Luis Inácio Lula da Silva, o governador José Serra e o presidente dos Estados Unidos George W. Bush. ?Cantor e apresentador que viram políticos, na Lavapés viram Judas?, criticou Magrão. O último boneco malhado foi produzido pelos moradores da região. Ano passado, por causa da malhação, Magrão recebeu um comunicado da CET com uma cobrança de quase R$ 5 mil, em outubro de 2006. A causa foi o custo operacional do deslocamento das equipes da CET para monitorar o evento. ?Se cobrarem de Bush os custos dos bloqueios causados com sua vinda ao Brasil, aí pago minha dívida?, reclamou Magrão. Antes da festa, típica do Sábado de Aleluia, as crianças ganharam balas. Em pouco mais de dez minutos o que restava nas ruas eram os destroços dos bonecos. Os primeiros 200 metros da Rua Lavapés foram bloqueados pela CET, por segurança, e por uma barreira de policiais. Nenhuma ocorrência foi registrada durante a festa.

Agencia Estado,

07 Abril 2007 | 17h17

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.