Maluf perde o vôo, se irrita e aluga jatinho

Cinco horas e meia de espera no Aeroporto de Congonhas fizeram o deputado federal eleito Paulo Maluf (PP-SP) engrossar nesta quarta-feira, 6, o coro dos protestos contra o governo. Maluf tinha vôo marcado de São Paulo para Brasília às 8 horas, mas até às 13h30 o avião não tinha nem mesmo chegado. Irritado, virou as costas e foi direto alugar um jato executivo. "Isso é um martírio. Vou estudar a possibilidade de processar a TAM", reclamou o deputado eleito, com sua voz nasalada.A fúria de Maluf só foi amenizada porque um passageiro o abordou no aeroporto e disse que sua filha queria conhecê-lo. "A gente agrada a criança e ganha voto do pai", comentou ele, rindo. No fim da tarde desta quarta, Maluf parecia ter deixado a raiva em São Paulo. Andava sorridente pelo Salão Verde da Câmara, cumprimentando os futuros colegas. Mas aliou-se aos que pediam a cabeça do ministro da Defesa, Waldir Pires."Napoleão já dizia: ´Detesto generais que têm azar no campo de batalha´", afirmou Maluf. "Portanto, se eu fosse Lula, demitiria o ministro da Defesa. Não é possível alguém impor à população brasileira esse martírio."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.