Maluf responsabiliza diretoria do Metrô por acidente

Ex-governador e ex-prefeito de São Paulo, o deputado Paulo Maluf (PP) responsabilizou nesta quarta-feira, 17, a diretoria do metrô pelo desabamento da linha 4, por ter optado por um "projeto perigoso, caro e complicado" para alongar o trecho. "Seria mais fácil, mais barato e com certeza com mais garantia, passar por pontes, aliá como fizemos no trecho 1, Santana-Jabaquara", defendeu. Segundo ele, o acidente poderia ter sido evitado, se os encarregados pelo projeto se orientassempelo projeto inicial do metrô, de 1969, "e que está funcionando bem". "Até hoje, não aconteceu nada, nenhum problema, nenhum recalque diferencial", alegou. "O que eu sei fazer na vida sãoobras, não tenho dúvida de que o problema é da diretoria do metrô".Maluf tachou de "precipitada e temerária" a iniciativa do governador José Serra de acusar as empreiteiras pelo desabamento, sem dispor de um laudo técnico para sustentar a denúncia. "Quando o culpado, mesmo, foi a diretoria do metrô", reiterou. "O órgão ignorou a única lei que não pode ser revogada, que é a Lei da Gravidade, e infelizmente deu errado". Alegou que as construtoras brasileiras já deram prova de eficiência em obras do porte, entre outras, de Itaipu,Tucuruí, e do Aeroporto de Guarulhos e pela carreira que desenvolvem foram do País, "por falta de investimento no Brasil".Ele também criticou Serra por ter demorado a se pronunciar sobre o desabamento, obrigando o prefeito Gilberto Kassab a tomar à frente do episódio, mesmo não se tratando de uma obra municipal. "O prefeito não tem nada a vê com a história, ele foi chamado a dar explicações para a imprensa porque o Serra não quis enfrentá-la no dia do acidente", afirmou. Maluf disse que a tese, segundo ele dos responsáveis pela construção da estação, de que urbanisticamente fica mais bonito o metrô passar por túneis e não por pontes, não se sustenta. "Tanto que o governo fez a ponte do metrô de Campo Limpo e está fazendo outra em frente da avenida Roberto Marinho", argumentou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.