Mancha de óleo atinge 8 km de extensão

Deve durar uma semana a limpeza do óleo que vazou da Petrobras em Morretes. A previsão é da estatal que utiliza cerca de 500 homens para a tarefa. Eles estão encarregados da limpeza e da proteção da área atingida e a mancha de óleo já chega a oito quilômetros de extensão. Até o final da tarde, as seis barreiras de contenção colocadas pela empresa tem evitado que o óleo chegue até o Rio Nhundiaquara.Os ambientalistas querem que seja feita uma reunião nesta segunda-feira para pressionar as autoridades a divulgar os laudos sobre o acidente e apurar as responsabilidades urgentemente. A extensão do impacto ambiental provocado pelo vazamento de 1.200 litros de óleo diesel de um oleoduto da Petrobras em Morretes, na Serra do Mar, a 60 quilômetros de Curitiba ainda é desconhecido.Um grupo de técnicos do IAP está percorrendo a região para elaborar, na próxima semana, um laudo minucioso sobre as conseqüências do acidente. O oleoduto tem 96 quilômetros de extensão e 26 anos. Segundo a empresa, o oleoduto tem uma vida útil de 100 anos. A mancha de óleo atingiu o Rio Sagrado durante a noite e matou diversas espécies de peixes. Apesar de não abastecer o município, o rio é largamente utilizado pelos moradores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.