Mancha vermelha cresceu mais em áreas pobres

Candidata do PT conseguiu ampliar número de votos entre o primeiro e o segundo[br]turno no interior de Minas

Daniel Bramatti, José Roberto de Toledo / ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S.Paulo

02 Novembro 2010 | 00h00

Ainda que não tenha sido decisivo no resultado final da eleição, o Estado de Minas Gerais foi considerado prioritário tanto pelo PSDB quanto pelo PT na campanha do segundo turno.

O tucano José Serra precisava de uma virada no Estado, mas o mapa das duas etapas da eleição mostra que foi a petista Dilma Rousseff quem mais avançou entre uma e outra.

No primeiro turno, Dilma teve 46% dos votos dos mineiros, e o adversário, 32%. No segundo, a petista chegou a 58% (avanço de 12 pontos porcentuais), contra 42% (avanço de 10 pontos).

Nos mapas, o aumento da mancha em vermelho-escuro entre o começo e o final de outubro revela que Dilma cresceu mais na região norte de Minas, a mais pobre, onde é maior a abrangência de programas sociais do governo. Em Montes Claros, uma das maiores cidades dessa região, o placar foi de 67% a 33& para a candidata do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Mas Dilma venceu também em cidades industriais e desenvolvidas, como Ipatinga, Betim e Contagem.

Em Juiz de Fora, reduto do ex-presidente Itamar Franco, aliado de Serra, Dilma teve 69% contra 31%. A cidade fica em uma região que costuma seguir o padrão de voto do Rio de Janeiro.

Em Belo Horizonte, onde Marina Silva (PV) havia triunfado no dia 3 de outubro, Serra venceu na segunda votação, mas por margem estreita - inferior a um ponto porcentual.

Grandes e pequenos. Dos municípios mineiros com mais de 100 mil votos válidos, além da capital, o candidato tucano só venceu em Governador Valadares, por quatro pontos. Dilma ficou à frente em outros 11.

Nas cidades menores, com menos de 10 mil votos válidos, a petista ficou à frente em 543, e o tucano, em 111. Em termos proporcionais, o placar foi de 83% a 17%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.