Mancha, Vila Maria e Rosas dão show

Na primeira noite de desfiles em São Paulo, algumas escolas optaram por temáticas político-sociais e outras tiveram de driblar contratempos para encher de cores o Anhembi

, O Estadao de S.Paulo

22 Fevereiro 2009 | 00h00

Na X-9, reflexão sobre a Amazônia Nem Barack Obama faltou à festa da X-9 Paulistana. O rosto do presidente americano foi parar no corpo de uma modelo. Rita Cadillac se destacou dentro de uma melancia no carro do Cassino do Chacrinha, entre sósias de Maria Bethânia e Elba Ramalho. O marketing verde da Mancha Destaque da noite e número 1 em marketing, a Mancha Verde distribuiu bandeiras e sinalizadores de luz verdes à plateia. O tema era Pernambuco, mas um dos carros trazia até romanos. Viviane Araújo hipnotizou a arquibancada. Refrão da Rosas empolgou foliões A Rosas de Ouro viu seu refrão - "deu Rosas nesse carnaval" - ser o mais repetido da noite. Ellen Roche, rainha da bateria, levantou a arquibancada. Com o sonho como tema, havia até alegoria de formiga. Vila Maria faz chover ?dinheiro? Com notas falsas e moedas de chocolate, a comissão de frente da Vila Maria fez chover dinheiro na avenida. Cantando sua origem, a escola criou fantasias sobre diferentes épocas e lugares, com árabes, romanos e nobres franceses. Tom Maior traz Martinho da Vila Ao falar sobre Angola - que mandou 60 foliões ao desfile -, a Tom Maior emocionou ao encenar a guerra civil, com mutilados e o ?corpo? de uma criança. Homenageado, Martinho da Vila veio no último carro com amigos e familiares. Nenê: animação já ao amanhecer Última escola, a Nenê de Vila Matilde levantou o público ao desfilar já ao amanhecer. O carnavalesco discutiu com uma integrante e um carro atrasou, obrigando duas alas a irem na frente. Miguel Falabella rezou ao entrar. Susto com carro não inibiu Peruche A campeã do Grupo de Acesso em 2008 passou por apuros na concentração: o braço de um boneco de Oxum, no quarto carro alegórico, quebrou antes do desfile começar. Mas a escola conseguiu refazer a tempo a escultura.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.