Mangabeira será novo ''guru'' de Rondônia

O ex-ministro de Assuntos Estratégicos Mangabeira Unger vai coordenar o Programa Rondônia de Desenvolvimento, o principal projeto do governador Confúcio Moura (PMDB) para os próximos quatro anos.

João Domingos, O Estado de S.Paulo

19 de janeiro de 2011 | 00h00

Pelo contrato de consultoria - os valores não foram revelados -, Mangabeira comprometeu-se a passar uma semana por mês em Rondônia, a partir de março. Até dezembro, ele manterá reuniões com o governador Confúcio Moura e equipe, quando serão analisados os projetos de desenvolvimento do Estado e apontados erros e soluções.

Mangabeira foi responsável no governo de Luiz Inácio Lula da Silva pelo Plano Amazônia Sustentável (PAS), quando apresentou uma série de propostas para o desenvolvimento e a sustentabilidade da Amazônia.

Acabou contribuindo para a queda da então ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, que não aceitou perder o PAS para um colega de trabalho que tinha pensamento oposto ao dela em relação à Amazônia.

De todos os projetos de Mangabeira, o que mais prosperou foi o que resultou na medida provisória - depois transformada em lei - que permitiu a regularização de posses de até 1,5 mil hectares na Amazônia.

A lei permitirá a concessão do título permanente da terra para cerca de 400 mil posseiros até 2013. "É preciso que haja um novo modelo de desenvolvimento em Rondônia. Precisamos construir uma democratização de oportunidades e assim fazer surgir uma nova classe média, a partir de pessoas que conseguiram crescer e sair da linha da pobreza", destacou Mangabeira no portal de notícias do governo de Rondônia.

Ao Estado, Mangabeira disse que trabalhará em parceria com Confúcio - que transformou seu blog em um diário da transição. Segundo ele, o Programa Rondônia começará com monitoramento e análises para dinamizar o crescimento do Estado: "Escolhemos o Mangabeira, que tem grande experiência e capacidade para coordenar este projeto."

"Minha ideia é colaborar com o governador para iniciar uma nova era", disse o ex-ministro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.