Mangueira emociona no desfile das campeãs

A Estação Primeira de Mangueira, quarta escola a passar no Desfile das Campeãs, foi a que trouxe mais gente para a passarela. Seu enredo sobre a língua portuguesa começava em Roma para terminar na Estação da Luz, no Museu da Língua Portuguesa, criado em São Paulo, onde desfilavam os baluartes da escola.O compositor Nelson Sargento, no entanto, não desfilou; preferiu ficar no camarote da Brahma, com a esposa Evonete, porque a fantasia dela não foi entregue a tempo. Beth Carvalho também ficou no camarote da Brahma; já a cantora Alcione ajudou a cantar o samba da escola, junto com Emílio Santiago.A Mangueira foi recebida quase tão calorosamente quanto a Viradouro, mas sem gritos de "é campeã". Preta Gil, madrinha da bateria, disse que quer sair no ano que vem novamente. "Se a diretoria da escola quiser, se o Ivo Meirelles (diretor de bateria) me convidar, e se eu agüentar", disse Preta. O pai dela, o ministro da Cultura Gilberto Gil, não estava no sambódromo, pois viajou para a Espanha. O ex-jogador de futebol Júnior, notório mangueirense, também participou do desfile. Outros membros da escola salpicavam as frisas e os camarotes, entre eles a atriz Bete Mendes e a apresentadora Leda Nagle. "O que me emociona na Mangueira é a garra de toda a escola", disse Leda.Vários componentes da escola, entre eles Preta Gil e Ivo Meirelles, foram cumprimentar Beth Carvalho no camarote da Brahma. Ela teve um desentendimento com a diretoria da escola e foi expulsa do carro dos baluartes no desfile de domingo.O carnavalesco Max Lopes não quis mais falar do incidente. "A Mangueira é maior que tudo isso. Nosso desfile está uma maravilha", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.