AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Mangueira encerra desfile com homenagem a Nelson Cavaquinho

Enredos biográficos já levaram a Mangueira à glória – em 1984, cantando Braguinha, e em 1998, com Chico Buarque, foi campeã – e à ruína – em 1989, falando do ex-rei da noite do Rio Chico Recarey, chegou perto do rebaixamento. No fim da noite de domingo, com Nelson Cavaquinho, não chegou a qualquer dos extremos. Os mangueirenses que resistiram à chuva e ao cansaço saíram do Sambódromo com dia claro, cantando os versos de louvação ao compositor que se tornou um dos símbolos da escola e felizes. Mas o desfile ficou aquém da escola e do enredo.

Roberta Pennafort, O Estado de S. Paulo

07 de março de 2011 | 08h36

A ruidosa vaia ao presidente, Ivo Meirelles, ao se dirigir aos componentes e ao público na entrada da escola, já era um mau prenúncio. “Eu vou usar uma frase de Cartola: ‘Mangueira, por você fiz o que pude’”, disse, num tom egocentrado. O público não perdoou. Depois veio um discurso longo e desnecessário, lido pelo ator Milton Gonçalves, de evocação a Nelson Cavaquinho. A plateia não queria papo, esperara até tarde para ouvir samba, e não falatório.

Nelson apareceu já na comissão de frente, acompanhado dos boêmios “amigos de fé” e companheiros de mesa, do Morro da Mangueira. Também ao lado de Beth Carvalho – que desfilou mesmo ainda estando mal da coluna –, Sérgio Cabral (autores do enredo) e Guilherme de Britto, seu parceiro, no carro que representava o Zicartola, seu palco. E fechou o desfile, “voando” como um anjo de asas longas. Antes, a escola mostrou referências a seus sambas, uns mais conhecidos do que outros: “A Flor e o Espinho’, “Folhas Secas”, “Juízo Final”, ‘A vida.”

Faltou criatividade aos carnavalescos Mauro Quintaes e Wagner Gonçalves – a Mangueira tinha fantasias repetitivas, e não se viu muita inventividade no chão nem nas alegorias –, que pecaram também no acabamento dos carros (já o abre-alas era problemático). Mas sobrou disposição entre os componentes, que batiam no peito para dizer versos do samba-enredo (em primeira pessoa, Nelson falando), como “Sou mangueira”. Mesmo que o sotaque fosse paulistano. Os puxadores ficaram em silêncio em vários momentos para deixar que a vozes dos componentes e das arquibancadas se sobresaíssem. Foi bonito uma vez, depois perdeu a graça.

Quem conviveu com Nelson no morro era só emoção, como se cantava na letra do samba. “Lembro dele amanhecendo no Buraco Quente, cantando e bebendo. Era disso que ele gostava”, dizia, na concentração, dona Léa de Araujo, 68 anos de Mangueira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.