Maníaco corta-bundas revolta mulheres em Taubaté

A Polícia Civil de Taubaté, no Vale do Paraíba, vai divulgar nos próximos dias o retrato-falado de um homem que, há um mês, vem ferindo as nádegas de mulheres com um estilete. A polícia acredita que seja a mesma pessoa que em menos de um mês já fez seis vítimas da mesma forma.Usando um estilete, o homem passa de bicicleta pelas ruas do centro de cidade, sempre no início da noite, e fere, com um estilete, as nádegas das vítimas. Depois foge, sem deixar pistas. O homem, segundo relato de mulheres, é negro, tem cerca de 30 anos, se veste com jaqueta e calça jeans e usa boné.A maneira covarde com que o agressor fura as mulheres com um estilete está provocando medo na população feminina. Nos pontos de ônibus do centro da cidade, as mulheres comentam os casos e ficam atentas. ?A gente não tem mais sossego nem para andar na rua?, disse a doméstica Valéria Aparecida Cerqueira.Uma mulher, que pediu para não ter o nome revelado, foi agredida no dia 11 de junho, na mesma data em que o maníaco do estilete, como é conhecido o agressor, fez outras duas vítimas num intervalo de 15 minutos. Ela diz que voltava da padaria com uma amiga, por volta das 19h30, quando um homem passou de bicicleta e, numa ação rápida, lhe cortou as nádegas.?Eu estava distraída e, na hora, pensei que fosse um beliscão, e xinguei o homem. Mas depois, quando cheguei em casa, vi que estava sangrando muito.?A jovem, de 15 anos, foi levada para o Pronto-Socorro por familiares e acredita ter sido salva pela calça jeans que usava no momento da agressão. ?Se estivesse com uma roupa menos grossa, o corte teria sido mais profundo. Hoje estou tomando vários remédios, até contra HIV.? Ela diz que o homem que a agrediu saiu correndo, rindo alto, sem mostrar o rosto.O medo da maioria das mulheres em Taubaté está relacionado ao boato de que o homem estaria praticando o crime para transmitir aids para as vítimas. Segundo o delegado seccional de Taubaté, Roberto Martins de Barros, a última vez que o maníaco agiu, há cerca de uma semana, ele tentou um estupro e se deixou ver pela vítima.?De acordo com a descrição desta vítima é que estamos providenciando o retrato-falado.? Para o delegado, ao que tudo indica, o homem procurado tem intenção de cometer crime sexual contra as mulheres, e a agressão é a maneira que ele encontra de render as vítimas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.