Maníaco do parque é condenado a mais 121 anos e 8 meses

O 1º Tribunal do Júri de São Paulo,após 36 horas consecutivas de julgamento, condenou nesta quarta-feira à noite, Francisco deAssis Pereira, o "maníaco do parque", a mais 121 anos e oito meses de prisão em regime integralmente fechado, porhomicídios qualificados contra cinco mulheres, estranguladas em 1998 no Parque doEstado, além de crimes de estupro, ocultação de cadáver e atentado violento ao pudor.Os jurados, por sete votos a zero, acolheram integralmente a acusação, sustentadapelo promotor Edilson Mougenot Bonfim e pelo assistente do Ministério Público, MiltonBonelli, contratado pela família de uma das vítimas e rejeitaram a argumentação daadvogada de defesa, Maria Elisa Munhol, que, tentou convencer os jurados, com base emlaudo psiquiátrico, de que o maníaco é semi-irresponsável.Se a tese tivesse sidoacolhida, a pena seria reduzida de 1/3 a 2/3 ou poderia ser convertida em medida desegurança, consistente em internação pelo prazo mínimo de três anos em manicômiojudiciário.Com a condenação desta quarta-feira, as penas aplicadas ao assassino somam 279 anos e doismeses de reclusão. Após o trânsito em julgado de todas as decisões condenatórias, aspenas serão unificadas, e o "maníaco do parque", que está preso há quatro anos, cumprirá nomáximo 30 anos de reclusão.Em sua sentença, o juiz Homero Maion ressalta que Francisco de Assis Pereira ?agiade forma premeditada na organização e concepção de seus intentos criminosos?.Acrescenta que, ?após cometer crimes gravíssimos, hediondos e de elevadarepugnância? ele se apresentava como pessoa enquadrada no meio social.Quando foidesmascarado, até seus parentes se surpreenderam com as acusações. Após ojulgamento, o maníaco foi recambiado à prisão onde cumpre pena.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.