Manifestantes danificam 26 ônibus em protesto contra atropelamento no DF

Balas de borracha foram usadas, segundo o coronel da PM, para proteger a integridade física das pessoas

Solange Spigliatti, do estadão.com.br,

13 de dezembro de 2011 | 11h43

SÃO PAULO - Vinte e seis ônibus foram danificados nesta terça-feira, 13, durante manifestação de moradores da região de Águas Lindas, no entorno do Distrito Federal, para reivindicar mais segurança na rodovia, como iluminação e lombadas.

Os manifestantes bloquearam totalmente a Rodovia BR-070 por volta das 5h50, ateando fogo em pneus, na região de Águas Lindas, a cerca de 1 quilômetro de Brasília, após vários registros de atropelamentos no local. Segundo o coronel José Luiz Biano, da Polícia Militar de Goiás, na tarde de ontem, uma senhora foi atropelada e morreu.

Além da barricada, os manifestantes pararam os ônibus que estavam na via e foram parcialmente ou totalmente destruídos. De acordo com o coronel, entre os 26 coletivos danificados, seis são da empresa Taguatur e 16 da empresa Santo Antônio e foram depredados. Dois da empresa Santo Antonio foram totalmente queimados e outros dois ônibus foram destruídos parcialmente.

O protesto começou com cerca de 50 pessoas e aumentou para cerca de 200, com a adesão dos passageiros dos ônibus, que também se revoltaram com a interdição, que foi controlada pela Polícia Militar por volta das 8h30.

Balas de borracha foram usadas para controlar os manifestantes, segundo o coronel, para proteger a integridade física das pessoas. Segundo ele, alguns moradores estavam empurrando os coletivos por uma ladeira e os policiais usaram as balas de borracha para conter os manifestantes e tiros foram disparados nos pneus dos ônibus que estavam sendo arrastados.

Ninguém ficou ferido e duas pessoas foram detidas e levadas para o Centro Integrado de Atendimento e Despacho (Ciops). Após os bombeiros controlarem o fogo, a rodovia, que chegou a ter cerca de seis quilômetros de congestionamento em cada sentido, foi liberada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.