Manifestantes incendeiam estação de tratamento de água no Maranhão

Grupo protesta contra falta de água; outras manifestações bloqueiam BR-222 e avenida em São Luís

Ernesto Batista, O Estado de S. Paulo

25 de junho de 2013 | 14h26

SÃO LUÍS - As manifestações no Maranhão estão se alastrando pelo interior do Estado. A BR-222 foi interditada por um protesto em Itapecurru-Mirim, cidade distante 121 quilômetros de São Luís. O grupo protesta contra a lentidão da reforma de uma ponte e pedem mais atenção aos serviços de saúde, educação e segurança. Em Paraibano, localizado a 435 quilômetros da capital, a população incendiou uma estação de distribuição de água da Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (Caema), durante um outro protesto contra a falta de água no município.

Para esta terça ainda são esperadas manifestações em outras quatro cidades maranhenses: Codó, Imperatriz, Bacabal e Bacabeira.

São Luís. Já na capital estudantes voltaram a ocupar a Avenida dos Portugueses e o que começou como um pequeno protesto de alunos de uma escola estadual está ganhando força. Estudantes da Universidade Federal do Maranhão (UFMA) e moradores dos 56 bairros que formam a região do Itaqui Bacanga aderiram ao movimento.

Eles colocaram fogo em galhos, troncos, lixo e móveis velhos e não permitem a passagem de veículos nos dois sentidos. Até o momento, a Polícia Militar acompanha o movimento e tem apoio de várias guarnições do Corpo de Bombeiros. A situação é tensa, uma vez que a tropa de choque desocupou à força esta mesma avenida duas vezes na segunda-feira, 24.

Outros dois protestos estão previstos para esta terça na capital: um intitulado "Vem Pra Rua, São Luís - Passe Livre Ato 4" está marcado para a Cohab e outro, chamado de "A periferia vai ao Centro", está marcado para a Praça Deodoro, tradicional ponto de reunião de manifestações em São Luís e de onde saiu o primeiro protesto na cidade na última quarta-feira (19).

Até agora 29 pessoas foram presas e 14 ficaram feridas em São Luís desde o início dos protestos na capital maranhense, há cerca de uma semana.

Mais conteúdo sobre:
protestosSão LuísMaranhão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.